fbpx

De uns anos para cá, os estúdios Disney estão investindo em live-actions de suas animações clássicas, resgatando a magia e as lembranças afetivas de uma geração que cresceu com esses filmes. Entre os mais aguardados pelos fãs estava Aladdin, que chegou as cinemas neste mês de maio e é dirigido por Guy Ritchie (Sherlock Holmes e Rei Arthur: A Lenda da Espada).

O filme começa mostrando uma embarcação com uma família a bordo, onde o pai conta para seus filhos uma história que envolve magia, uma lâmpada mágica, um tapete voador e membros da realeza. Envolvidos pela versão de Arabian Nights, cantada por Will Smith, o público já mergulha em nostalgia ao passo em que conhece a versão live-action da cidade de Agrabah (“Oh, imagine uma terra, é um lugar distante / Onde os camelos das caravanas andam / Onde você vagueia entre todas as culturas e línguas / É caótico, mas ei, é o nosso lar”).

Somos então introduzidos ao nosso protagonista, Aladdin (Mena Massoud), realizando pequenos furtos, junto com seu macaco e fiel amigo Abu. É naquelas mesmas ruas que Aladdin encontra a princesa Jasmine (Naomi Scott) pela primeira vez, fugindo de seu pai super protetor e de sua vida dentro do palácio. Deste ponto, vemos que a película dirigida por Guy Ritchie mantém a mesma essência da animação de 1992, mas apresenta pequenas mudanças ao longo de seu roteiro que dão a identidade do diretor ao filme.

Nesta versão de carne-e-osso, o público é introduzido a dois novos personagens. Dalia (Nasim Pedrad) entra no filme para ser amiga da princesa Jasmine, uma vez que na animação o único amigo da princesa é o tigre Rajah – e ela ainda é a única personagem feminina do desenho. A amizade entre as duas é um ponto positivo para o filme, além de gerar boas risadas. Enquanto isso, o Príncipe Anders (Billy Magnussen) é um dos pretendentes da princesa, com o protagonista constantemente se comparando à ele e sentindo-se inferior – afinal, ele é apenas um “pé rapado” e “ladrãozinho”, e Jasmine merece alguém melhor do que ele e do que ele é capaz de oferecer.

Em tempos de empoderamento, uma bem-vinda mudança em Aladdin é o inédito interesse da princesa: Jasmine sonha em suceder seu pai. Para isso, ela precisa ir contra o sistema machista predominante da época, mostrando que ela é muito mais do que uma esposa bonita de um príncipe. Esse novo desejo da personagem é ilustrado na inédita Speechless, solo criado especialmente para Jasmine: “Eu não vou ser silenciada / Você não pode me manter quieta / Não vai tremer quando você experimenta / Tudo o que sei é que não vou sem palavras / Sem palavras”. Este arco é muito bem desenvolvimento, sendo construído de forma pertinente através de ações que condizem com os ideias que ela defende.

Quem também brilha ao longo do filme é o Gênio. Apesar das polêmicas ao redor do personagem, visto que algumas pessoas não gostaram do efeito do CGI, Will Smith consegue entregar um personagem com personalidade autêntica e bastante engraçado. Sem tentar imitar o personagem eternizado por Robin Williams na animação de 1992, ele cria sua própria personalidade para o icônico personagem. Com diversas piadas e brincadeiras, o Gênio ainda faz algumas referências com a cultura pop — como a referência aos parques da Disney— e recebe um toque da própria persona Will Smith.

Como as vezes nem tudo é mágico, Aladdin acaba pecando na construção de Jafar (Marwan Kenzari), um dos personagens mais malvados das animações da Disney. Neste filme, suas motivações estão mais atreladas a motivos políticos do que à ambição de se tornar o feiticeiro mais poderoso. Durante boa parte da trama o personagem usa os seus poderes para manipular os outros, na tentativa de criar conflitos. Sua grande motivação, assim como sua personalidade, é muito pouco trabalhada ou desenvolvida, criando a sensação de superficialidade.

De uma forma geral, no entanto, Aladdin é um filme surpreendente. Ao mesmo tempo em que a história mantém a mesma essência da animação, também cria mudanças que enriqueceram a sua trama, tornando-se facilmente um dos melhores live-actions produzidos pela Disney até então. Ótimos atores, um roteiro consistente, uma caracterização muito bem feita (que tem uma pegada cultural mais forte), cenas de ação dinâmicas e números musicais bem ensaiados dão unidade ao filme. Guy Ritchie, consegue criar o seu próprio mundo em uma história tão amada pelos fãs.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Música
Vitória C. Rocho

Imagine Dragons cada vez mais longe de suas origens

Imagine Dragons lança seu novo álbum, “Origins”, antes mesmo de terminar a turnê do álbum anterior, entregando um “parente próximo” do antecessor. No terceiro single que precedeu o álbum, Dan Reynolds canta em um refrão forte e desafiador “Eu estive me perguntando quando você vai ver que eu não estou pra venda / Eu estive me questionando quando você vai ver que eu não uma parte da sua máquina”. Bem, Dan, parece que vocês fazem parte do sistema, sim. Imagine Dragons teve um crescimento explosivo e pouco visto nas bandas atuais, surpreendendo ainda mais ao se manter tanto tempo nas

Leia a matéria »
Televisão
Bruna Curi

O fim do reinado

“Reign” termina seu ciclo contando a história de Mary Stuart em uma última temporada que continua sendo um destaque, mesmo quando usa de licença poética.

Leia a matéria »
Back To Top