fbpx
Sem inspiração, "A Crônica Francesa" acaba como um filme testamento de todos maneirismos de Wes Anderson e seus efeitos.

Sem inspiração, “A Crônica Francesa” acaba como um filme testamento de todos maneirismos de Wes Anderson e seus efeitos.


OO cinema de Wes Anderson é mesmo feito de idiossincrasias e A Crônica Francesa chega aos cinemas para provar esta ideia de forma curiosa: um filme que essencialmente representa a posição do diretor no cinema contemporâneo, na mesma medida em que sofre dos maneirismo como principal problema.

O título por si só já é bem literal do que estamos prestes a assistir: um longa de antologia que encena três artigos publicados na última edição de uma revista independente de uma pequena cidade francesa. Por mais desconexas que as três histórias sejam (afinal, o próprio formato de antalogia pressupõe essa narrativa um pouco inócua), há um fio da meada costurando tudo: o editor da revista, vivido por Bill Murray.

Então, é mesmo simbólico que já na abertura do filme a narradora anuncie a morte deste personagem e o subsequente encerramento da publicação impressa, porque assim Anderson consegue definir desde o início o principal tema de A Crônica Francesa: a finitude das coisas.

Em certo sentido, vários filmes do diretor tratam desse mesmo tema; mas este último trabalho tem um toque a mais de auto referência porque hoje ele próprio tem uma posição prestigiada e pouco alcançada na indústria cinematográfica. Em uma época onde o mecenato do cinema se faz presente como nunca, com um controle criativo extenso sobre os cineastas que topam fazer parte do jogo, é um verdadeiro poder gozar da posição de Anderson como um realizador autoral capaz de encontrar investimento para qualquer empreitada que queira propor.

Enquanto está nessa posição, Wes Anderson se mantém fiel a seus maneirismos estéticos e narrativos. A Crônica Francesa tem a tradicional encenação obsessiva de enquadramentos frontais e simétricos dos cenários estilizados no grafismo como pinturas de uma casa boneca. Da mesma forma as atuações teatrais e caricatas, tais quais o humor sarcástico e irônico tão comum nas suas obras.

Contudo, todas essas características tão identitárias do cinema de Anderson se fazem presentes aqui com pouco interesse e sabor. Acaba que todas as cores, texturas e traços de uma bela fotografia e uma direção de arte impecável acabam custando caro aos discursos do filme (o embate geracional, a arte como negócio, a manifestação artística como ato político).

Um movimento que evidencia como A Crônica Francesa sofre em dar conta de um posicionamento profundo sobre tudo o que busca dizer e acaba mesmo como uma mera ilustração de um belo texto literário. Quase que como se uma fanzine do próprio cinema de Wes Anderson fosse adaptada às telas, mas sem a inspiração necessária para nos preocuparmos com o seu fim.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Música
Cecilia Basílio

We want to be you

Com um ano do lançamento de seu primeiro EP, Billie Eilish é um dos maiores nomes do cenário electropop alternativo e um dos nomes mais promissores de 2018.

Leia a matéria »
Televisão
Leonardo Parrela

Um olhar crítico e atual para o exercício jornalístico

“The Newsroom” é um importante ensaio mostrando o funcionamento das instituições jornalisticas, em uma série crítica, dinâmica e direta. O Jornalismo, provavelmente, é um dos campos mais romantizados na história da teledramaturgia. São muitos filmes, documentários, seriados e minisséries que o tema central envolve alguma ramificação da prática. Seja nos recentes Spotlight: Segredos Revelados (2015) e The Post: A Guerra Secreta (2017), ou no icônico Todos Os Homens do Presidente (1976), o exercício jornalístico sempre foi apresentado como uma possibilidade de justiça social e mudança no mundo, mas sem ser necessariamente problematizado. Atualmente, com o crescimento das ideologias e governos de

Leia a matéria »
Back To Top