fbpx
Em "Dancing with the Devil", tanto no álbum quanto no documentário homônimo, Demi Lovato mostra seu renascimento artístico e pessoal.

Em “Dancing with the Devil”, tanto no álbum quanto no documentário homônimo, Demi Lovato mostra seu renascimento artístico e pessoal.


OO ano era 2018 e uma notícia surpreendeu o mundo no final de julho: Demi Lovato foi internada após sofrer uma overdose”. Foi um susto, uma mistura de emoções; angústia para uns, decepção para outros e o que parecia ser a última chance de Demetria Devonne Lovato.

Corta para 2021. Após ter os planos de seu retorno musical interrompidos no ano passado e os tabloides como ponte entre ela e o público, a artista nos surpreende de novo. Desta vez, ao escolher o documentário Dancing With The Devil e o álbum Dancing With The Devil: The Art Of Starting Over para contar os acontecimentos dos últimos dois anos, pela voz e olhar de quem sentiu na pele e tem muito para compartilhar.

Popularmente conhecida como Demi Lovato, suas letras e canções são marcadas pela carga emocional e a vivência com seus traumas em relação ao corpo, humor, relações afetivas e amorosas. Tudo isso potencializado pelos holofotes e a mídia desde 2002, quando começou a carreira ainda criança.

Agora, mais do que pelas notas altas, a artista se faz presente e toma o protagonismo da sua trajetória, seja para fazer as próprias escolhas ou se permitir um respiro necessário em meio a tantos desafios. Essa é a arte de recomeçar, para ela e para nós.

 

THE ART OF STARTING OVER

Demi Lovato não costuma economizar na profundidade quando o assunto são os seus trabalhos e na nova era não é diferente. Autenticidade e honestidade são as palavras de ordem dos atuais materiais e norteiam a narrativa dela, que, metaforicamente, já dançou com o diabo e está no caminho para se encontrar.

A cantora já tinha adiantado que, ao ouvir todas as faixas do álbum Dancing With The Devil: The Art Of Starting Over, iríamos perceber a trilha sonora não autorizada do documentário disponível no Youtube em quatro episódios e não foi exagero.

Intimista e coerente com a trajetória a partir de 2018, o álbum serve como um guia emotivo que não apenas registra, mas incorpora as experiências de Demi com leveza e a consciência essencial para os próximos passos.

Em paralelo, o documentário tem o papel de base para esclarecer as movimentações, desde a overdose até o fim do noivado, e trazer os depoimentos de pessoas próximas que ultrapassam apenas as revelações da mídia.

Sensibilidade. Essa é a maior riqueza da nova fase pessoal e profissional da artista, cheia de símbolos e detalhes importantes. Desde o corte de cabelo curto, que expõe mais o seu corpo e subverte o padrão estético comum feminino, e a imagem da borboleta em relação ao renascimento, vemos a esperança e identificação tomar conta. Isso vai além de prêmios apenas.

 

RENOVAÇÃO

 Se você espera ver um pouco da Demi Lovato sensual e “confiante” de 2015, abusando das roupas coladas, pode parar por aqui. O momento pede mais e ela, sem limitações e corajosa, entrega.

Esse era um momento muito esperado pelos fãs e a própria artista: o famoso retorno ao universo musical. Depois da espera de quase quatro anos desde o último álbum lançado, Tell Me You Love Me (2017), a expectativa era grande para como e o que a jovem artista, criada em Dallas, Texas, tinha para contar ao mundo.

O documentário tem um tom reflexivo e profundo que vai moldando a narrativa a cada episódio. Passeamos por uma linha do tempo em que exploramos, por exemplo, o momento da overdose e seus efeitos, os traumas sexuais e amorosos, até chegar a casa nova de Demi que reflete toda sua personalidade.

Ao fim do quarto e último episódio, percebemos uma mulher mais confortável com o que é, mais decidida para com suas escolhas e, sobretudo, aberta às vivências com a família e amigos. Se antes o refúgio eram as substâncias, agora parecem ser todos esses aspectos que tocam a liberdade, inclusive das cobranças da fama.

Terminamos assim aliviados em ver que Demetria finalmente está se encontrando enquanto pessoa. Por outro lado, fica a dúvida de quão forte e firme ela está para continuar nesse caminho cada vez mais. Mas calma, isso são cenas dos próximos capítulos.

 

CRIATIVIDADE

Dancing With The Devil: The Art Of Starting Over começa pesado e nos faz lembrar da emocionante apresentação no Grammy 2020. Anyone e outras duas faixas formam a introdução do álbum, em um tom parecido ao do documentário, embalado em extensões vocais e letras fortes que não deixam escapar a personalidade artística de Lovato.

Eu perguntei se alguém poderia me ouvir, enquanto dançava com o diabo. E por causa disso, eu estava cega, mas agora eu vejo. Deixe-me te levar a uma jornada que tira a pele do meu passado e personifica a pessoa que sou hoje. Esta é a arte de recomeçar.”

Após a Intro, em que somos oficialmente convidados a experimentar a construção sonora, o clima muda e, apesar dos temas difíceis, a leveza, criatividade e sinceridade assumem posição de destaque.

Os bolos falsos no aniversário com a antiga equipe, os 15 minutos de fama do antigo noivo, a sensação de estar sozinha, vários são os pontos colocados que, até aqui, foram sinônimos de dor, mas agora tornam-se ponte para o fortalecimento. É a potência de enfrentar os medos e dores com coragem, ditando os passos da dança, seja ela com quem for.

SUCESSO
Demi Lovato conquistou a melhor posição na parada de álbuns da Billboard desde 2015. Dancing With The Devil: The Art Of Starting Over estreou em segundo lugar, atrás de Justice, álbum de Justin Bieber que retornou ao primeiro lugar. Ainda, o álbum novo pegou a vice-liderança da parada britânica, ficando atrás apenas de “W.L.”, lançamento da banda escocesa The Snuts.

O álbum termina em um bom lugar, literalmente (na faixa Good Place), e nos comprova a reinvenção de Demi Lovato que, como as borboletas, se transformou e saiu ainda maior. Dancing With The Devil: The Art Of Starting Over comprova a sensibilidade da artista em fazer arte e nos faz acreditar no recomeço. Na dúvida, olhamos para os pulsos e lembramos: “Permaneça forte”.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Televisão
Debora Drumond

Baby, vamos refletir

“Baby” causa polêmica com seu primeira temporada ao trazer um enredo sobre tráfico sexual e prostituição infantil, em um roteiro infanto-juvenil. Baby, nova produção original da Netflix, estreou dia 30 de novembro trazendo polêmicas e uma leve sensação de dejà-vú. Um grupo de amigos, relativamente bem de vida, acaba se envolvendo com prostituição e drogas. Isso soa familiar, não é mesmo? A série, ambientada em um bairro de classe média na Itália, retrata a história de um grupo de adolescentes que se sentem sufocados pelas expectativas de seus pais e acabam vivendo uma vida dupla para escapar da rotina. Chiara

Leia a matéria »
Back To Top