fbpx
"Inner Monologue" traz o melhor de Julia Michaels, em um álbum marcado pela vulnerabilidade, sensibilidade e empatia nas composições da artista.

Com “Inner Monologue”, Julia Michaels sai da sombra e coloca seu coração sob os holofotes, em um álbum marcado pela vulnerabilidade, sensibilidade e empatia nas composições da artista.


MMesmo que você nunca tenha ouvido falar de Julia Michaels, você com toda certeza conhece, cantou e dançou ao som de pelo menos uma de suas composições. A norte-americana é um dos principais nomes por trás de grandes sucessos como Sorry, de Justin Bieber, Hands To Myself, de Selena Gomez, e Love Myself, de Hailee Steinfield.

Julia passou a maior parte de sua carreira compondo para grandes nomes da música pop, como Cristina Aguilera, Gwen Stefani e Britney Spears. Mas, somente em 2017, com o lançamento do seu primeiro EP, Nervous System, ela finalmente atingiu sucesso também como cantora. A canção Issues foi responsável por colocar Michaels nos charts, conseguir uma indicação ao Grammy, e jogar os holofotes sobre a jovem de 25 anos pela primeira vez, mostrando ao mundo que além de grande compositora, ela também é uma talentosa cantora.

 

Inner Monologue

Agora, em 2019, Julia deu mais um passo para estabelecer sua carreira e sair de vez das sombras lançando dois novos EPs. Em Inner Monologue Part 1 e Inner Monologue Part 2, a artista define seu estilo musical enquanto nos apresenta seus conflitos internos.

Problemas de relacionamento, ansiedade e falta de autoconfiança são os temas centrais das canções. Como a excelente compositora que já provou ser, Julia Michaels apresenta a si mesma de forma extremamente vulnerável, gerando identificação imediata em quem escuta suas letras. Ao expor seus próprios sentimentos, ela encontra sua própria voz e se diferencia dos seus trabalhos anteriores, feitos para outros artistas apresentarem.

Inner Monologue Part 1 conta com uma colaboração com Selena Gomez, em Anxiety, e outra com Niall Horan, em What a Time. Enquanto a primeira trata sobre lidar com a ansiedade, um problema vivido pelas duas artistas e por grande parte da nossa atual sociedade, a segunda é um belo dueto sobre o fim de um relacionamento.

Já em Inner Monologue Part 2, Michaels trabalha sozinha e explora ainda mais seus próprios defeitos. Em Body ela fala sobre sua dificuldade em aceitar seu corpo, outro tema extremamente atual e que imediatamente gera uma empatia imensa pra o ouvinte. Enquanto em Falling For Boys e Fucked Up, Kinda a artista revela seu julgamento questionável em relação a relacionamentos.

Seus trabalhos solo mostram exatamente por que a jovem é uma das compositoras mais disputadas da indústria musical: a sensibilidade, vulnerabilidade e honestidade ao tratar de sentimentos que todos enfrentamos na juventude a torna especial. Ao final, a junção em um só de Inner Monologue é como ler o diário de Julia Michaels, mas que nos agarra com empatia e sentimentos capazes de fazer com que estejamos lindo o nosso próprio diário.


PLAYLIST


Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Filmes
Rafael Bonanno

Um exercício de iconofilia

É praticamente impossível falar sobre cultura pop, hoje, sem sequer mencionar um dos maiores fenômenos culturais propagados pela indústria do entretenimento desde o final dos anos 90. Pokémon é uma franquia que começou como uma série de jogos de RPG desenvolvidos por Satoshi Tajiri para o Game Boy, em 1996. A partir daí, a marca se expandiu de maneira colossal em diversas mídias e, atualmente, ocupa a humilde posição de “franquia de mídia mais rentável da história” com uma renda estimada em cerca de 90 bilhões de dólares. Constantemente reintroduzida para novas gerações, os jogos principais da série sempre mantiveram

Leia a matéria »
Back To Top