fbpx
"Um Príncipe em Nova York 2" dá sequência à franquia de Eddie Murphy sem renovar na comédia e usando de um humor sexista ultrapassado.

“Um Príncipe em Nova York 2” dá sequência à franquia de Eddie Murphy sem renovar na comédia e usando de um humor sexista ultrapassado.


Nota do Colab: este texto contém spoilers.

 

NNo início de março chegou ao catálogo da Prime Vídeo uma das sequências mais aguardadas do cinema: Um Príncipe em Nova York 2. O seu predecessor foi lançado em 1988, sendo um dos primeiros filmes a atingir escala mundial com um elenco principal composto por atores negros e negras – um marco para a época.

Para quem estava vivendo em um planeta sem Eddie Murphy durante os últimos 33 anos, Um Príncipe em Nova York conta a história de Akeem (Murphy), que ao completar 21 anos começa a questionar sua privilegiada vida sendo o único príncipe herdeiro do trono de Zamunda, um país fictício africano. Esse incômodo faz Akeem e seu fiel escudeiro, Semmi (Arsenio Hall), saírem de seu país rumo aos Estados Unidos, para, assim, o príncipe herdeiro encontrar uma esposa de que goste de verdade e não ser obrigado a passar por um casamento arranjado por seus pais, reis de Zamunda.

Se você for assistir a esse filme em 2021, vai se incomodar com o sexismo que é usado de pano de fundo da história. Primeiro que Akeem foi preparado a vida toda para assumir o trono de Zamunda, já sua futura esposa foi preparada a vida toda para satisfazer Akeem, mostrando inclusive uma cena em que a jovem não possui gostos próprios e obedece cada palavra do personagem de Eddie Murphy. Já Semmi, amigo e servo do protagonista, não tem vergonha em ser machista e objetificar as mulheres em cada palavra e cena que as envolve, tratando a viagem as Américas como uma “despedida de solteiro” – para ele, o jovem príncipe só está em Nova York para usar as mulheres norte-americanas.

Arsenio Hall e Eddie Murphy, respectivamente

Mas não só Semmi, como todos os personagens e a própria história objetifica as mulheres. Em uma das primeiras cenas de Um Príncipe em Nova York, por exemplo, o longa mostra as servas de Akeem nuas na banheira dando banho nele. O protagonista, por sua vez, se mostra sendo o mais descolado dessa época bem machista, procurando em Nova York uma mulher que tenha opinião própria, que o ame de verdade e que não esteja com ele somente por sua riqueza imensurável.

 

ATUALIZAÇÃO

Na sequência, Um Príncipe em Nova York 2 chega em 2021 adotando um roteiro mais politicamente correto, sem objetificar mulheres na maior parte do filme. Casado com Lisa (Shari Headley) e pai de três filhas, Meeka (Kiki Layne), Omma (Bella Murphy) e Tinashe (Akiley Love), Akeem descobre que tem um filho “perdido” em Nova York e retorna a cidade estadunidense para resgatar o menino e torná-lo seu sucessor ao trono de Zamunda.

As atrizes KiKi Layne, Bella Murphy e Akiley Lovek, respectivamente

No desenrolar, observamos uma tentativa – assertiva em algumas cenas – de consertar alguns erros misóginos do longa anterior. São exemplos como o fato de a vontade de Meeka, filha mais velha do protagonista, de assumir o trono ser ignorada o filme inteiro para, no final, ser coroada a  sucessora legítima de Akeem.

Eddie Murphy e Arsenio Hall voltam a interpretar diversos personagens no filme, pratica comum dos atores ao longo de suas carreiras, ao darem vida aos barbeiros de Nova York e o padre/pastor que quase casa o filho de Akeem.

Um Príncipe em Nova York 2 deixa a desejar em alguns pontos, com muitas cenas parecidas com passagens do primeiro filme, deixando a impressão de que o roteiro foi escrito de maneira preguiçosa com base de que, por ser muito aguardado, o longa faria sucesso de qualquer jeito. Se era pra dar um tom saudosista, erraram na quantidade.

Uma das cenas que mais me chamou a atenção é quando Semmi explica para Akeem como seu filho “perdido”, Lavelle (Jermaine Fowler) foi concebido, fazendo alusão a um sexo sem consentimento, já que Akeem, aparentemente, estava sob efeito de entorpecentes e, em sua memória, ele teria sido atacado por um javali. Esse sexo sem concentimento é completamente esquecido e o filme se passa sem que aconteça uma conversa entre Akeem e a mãe de Lavelle, intrepretada por Leslie Jones. Tenso.

Leslie Jones (dir.) e Jermaine Fowler (centro)

Mas não só de erros vive uma comédia de Eddie Murphy e Um Príncipe em Nova York 2 tem vários acertos, como a escolha dos atores novatos. As cenas de flashback da dupla protagonista parece que estavam gravadas a 33 anos só esperando uma sequência, e as falas e referências a Pantera Negra, outro filme que mostra a África fora dos estereótipos que os norte-americanos estão acostumados a retratá-la, são geniais.

Apesar das várias falhas, o longa é de ser comemorado por conta do peso histórico que carrega. Eddie Murphy colocou sua carreira em risco ao colocar nos cinemas da época um filme composto com um elenco majoritariamente negro e sucesso na empreitada com uma história que cativou e emocionou o público, fazendo sair do papel uma sequência mais de 30 anos depois. Mas, eu espero que Um Príncipe em Nova York 2 seja a única.


ASSISTA
Um Príncipe em Nova York e Um Príncipe em Nova York 2 estão disponíveis no catálogo da Amazon Prime Video. Aproveite!

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Filmes
Deborah Almeida

O Noah Centineo que elas querem namorar    

“O Date Perfeito” não inova, mas sabe trabalhar muito bem dentro da fórmula, entregando uma comédia romântica clichê muito gostosa de assistir. Após conquistar nossos corações em Para Todos Os Garotos Que Já Amei e Siera Burgess É Uma Loser, o queridinho Noah Centineo ganhou um filme para chamar de seu. Em O Date Perfeito, Centineo não está mais renegado a interpretar apenas um “crush” ou namorado, mas sim o personagem principal da trama. No filme, original da Netflix, ele vive Brooks Rattigan, um adolescente que sonha em entrar para a universidade de Yale. Apesar de ter boas notas, seu currículo

Leia a matéria »
Filmes
Carolina Cassese

Cinema e Sociedade: uma conversa com Pablo Villaça

Conhecido por ser o idealizador e responsável pela produção de conteúdo do Cinema em Cena, o site mais antigo de críticas de cinema do Brasil,  Pablo Villaça é um dos principais nomes da crítica cultural brasileira, tendo participado de diversos eventos a respeito da crítica cinematográfica e também exercendo a função – em 2007, foi o único profissional estrangeiro a participar de um seminário promovido pelo The New York Times e pelo Museum of The Moving Image. Ao longo da carreira, Villaça produziu para o Cinema em Cena diversas coberturas dos principais festivais e mostras do Brasil, além de renomados e importantes

Leia a matéria »
Back To Top