fbpx
"Why Women Kill" é uma divertida série estrelada por três mulheres, em uma história que busca entender o que leva uma mulher a cometer assassinato.

“Por Que as Mulheres Matam” é uma divertida série de três protagonistas, em uma história que busca desvendar o que leva uma mulher a matar.


Nota do Colab: este texto contém leves spoilers.

 

– É uma pergunta simples, sendo sincera.

– Por que uma mulher mataria?

– E quem ela mataria?

– O homem que a traiu?

– A outra mulher?

– Talvez um amigo? Culpado de traição.

– Para ter a resposta, você precisa ouvir a história da mulher.

– Descobrir os segredos dela.

– Só então você poderá entender as escolhas que ela fez.

– Você talvez a condene.

– Você talvez a perdoe.

– Você talvez ache que teria feito a mesma coisa.

– Mas para a mulher que mata… só uma pergunta realmente importa.

– Ela se safa disso?

 

AA premissa é simples. Três mulheres, três épocas diferentes, três casamentos na beira do colapso. Por Que as Mulheres Matam conta histórias tão antigas quanto o tempo. Mas é com interessantes reviravoltas que a série toma forma, na expectativa de desvendar para os telespectadores o que leva uma mulher (ou três, no caso) a cometer assassinato.

 

Conhecendo as Mulheres

A produção da CBS All Access, serviço de streaming da CBS, vai e vem no tempo para apresentar ao público o seu trio de protagonistas. Criado pelo responsável de Desperate Housewives, ao longo de 10 episódios o seriado, exibido no Brasil pela Globoplay, conta as histórias de cada uma delas, enquanto o público tenta desvendar porque as mulheres matam e se elas se safam disso.

 

Beth Ann

Ginnifer Goodwin como Beth Ann

Ginnifer Goodwin, a Branca de Neve de Era Uma Vez, é Beth Ann, uma mulher dos anos 60. A sua história começa em 1963 quando, ao lado de seu marido, Robert (Sam Jaeger), ela se muda para uma bela mini-mansão no subúrbio de Pasadena, na Califórnia (EUA).

Assim como inúmeras mulheres de sua época, Beth Ann é devota às necessidades de seu marido, tendo abdicado de seus sonhos em prol da ascensão pessoal e profissional de seu cônjuge. A personagem de Ginnifer é a “dona de casa perfeita”: durante o dia, ela arruma o lar, faz compras e cozinha, e a noite, ela está de banho tomado, a espera de seu marido com um martini às mãos e o jantar servido, pronta para ouvir sobre o tedioso dia de trabalho de sua cara-metade.

A dinâmica da vida de Beth Ann muda quando ela descobre que seu marido está traindo-a com uma jovem garçonete. E acreditando que o problema nasceu com ela, Beth Ann entra em uma jornada para salvar o seu casamento – mas o processo trará surpresas pra ela, ensinando-a que há mais no mundo do que os olhos encontram.

 

Simone

A segunda protagonista de Por Que as Mulheres Matam é Simone, interpretada por Lucy Liu. Em 1983, ela vive na mesma mini-mansão que Beth Ann, junto com seu marido Karl (Jack Davenport). Simone é o ápice do que uma mulher rica dos anos 80 pode ser: fofoqueira, com sua casa muito bem decorada e um estilo de vida exuberante e de aparências, sendo o motivo de inveja de todo mundo que lhe rodeia.

Lucy Liu como Simone

A vida de Simone começa a ir ladeira abaixo quando ela descobre que seu marido está traindo-a. Mas, pior que isso, ele a está traindo com outro homem! É a partir daí que Simone fará de tudo para esconder esses affairs dos amigos, assim como o próprio romance com o vizinho Tommy (Leo Howard): um jovem garoto de 18 anos que ela viu crescer.

 

Taylor

Kirby Howell-Baptiste é a nossa terceira protagonista, Taylor. Na 2019 de Por Que as Mulheres Matam, ela é uma importante advogada que está reformando a sua mini-mansão de Pasadena junto ao marido, Eli (Reid Scott). Como um casal de seu tempo, eles tem um relacionamento aberto de muitos anos, cuja única regra é não se aproximar de seus amantes nem se apaixonar por eles.

Tudo muda quando Taylor dá abrigo para um de seus casos, Jade (Alexandra Daddario), após a jovem garota ter uma tensa e preocupante briga com o namorado. O casal então torna-se um trisal, sem ninguém perceber que logo mais a nova dinâmica trará problemas para todos os envolvidos.

Kirby Howell-Baptiste como Taylor

 

Entendo as Mulheres

Ao longo de sua jornada, Por Que as Mulheres Matam disseca a vida de seus personagens para o telespectador. Entendemos a fundo o que move cada um e os segredos que giram em torno dessas histórias. Nada é tão simples quanto parece e há segredos dentro de segredos. Mas, enquanto alguns arcos triunfam, outros caem no esquecimento.

Embora Lucy Liu seja o nome de maior peso do elenco, é Ginnifer quem rouba a cena. Sua personagem é complexa, cheia de nuances e camadas. Beth Ann caminha na beira da sanidade e da “insanidade”, tomando certas decisões que, embora cômicas, possam parecer a de uma mulher que está a um passo do colapso.

Assim, Beth Ann é a que mais cresce e se modifica no curso dos episódios. A protagonista começa jovem e inocente, ferida pela sua história pessoal e tentando, a todo custo, viver o casamento perfeito que sempre sonhou. Mas, direta ou indiretamente, ela é corrompida pela traição do marido, e responde da melhor forma que pode nas situações que lhe são apresentadas. Ao fim de Por Que as Mulheres Matam, seu caminho é turbulento e cheio de mágoas, mas a sua solução para seus problemas é um tanto genial e muito bem bolado.

Ginnifer Goodwin e Sam Jaeger

Logo em seguida está Simone. Sua personagem não é tão complexa quanto Beth Ann, mas sua história é igualmente cheia de camadas. A traição do marido toca em um ponto muito mais profundo do que ela esperava, assim como as consequências desse segredo – eventualmente, Simone se vê agindo de uma forma completamente inesperada. Se no começo tudo que lhe importava eram as aparências, ao final ela não poderia ligar menos para tudo isso.

Taylor é a que mais sofre e seu arco é um tanto tedioso, mesmo com uma reviravolta de grande potencial. Todo o desenvolvimento de sua história é previsível e seus personagens não conseguem vender o que se propõem, especialmente no que tange a personagem de Alexandra Daddario, com um atuação forçada que beira o caricato. No final, nenhum dos personagens parece ter crescido muito e a resolução ganha apenas uma palmadinha nas costas.

 

Acompanhando as Histórias

Embora Por Que as Mulheres Matam comece um pouco devagar ou “com potencial, mas muito caricato”, como apontam os críticos, a série vai prendendo seus telespectadores no desenrolar. E além de suas histórias, a produção triunfa em outras duas vertentes: seu constante humor e as quebras de expectativa. Mais uma vez, é Ginnifer e Liu que entregam personagens memoráveis e o seu próprio tipo de humor.

Lucy Liu e Jack Davenport

Beth Ann é uma mulher que parece extremamente inocente e sem vontade própria, mas possui um gênio sem igual. Ela é engenhosa e sabe muito bem usar a sua cara de tapada para o próprio benefício, o que a coloca em situações cômicas e absurdas, como fingir um câncer e se tornar a melhor amiga da amante de seu marido. E, para somar a tudo isso, os carões de Ginnifer são certeiros com cada uma das situações. Pelo jeito, mulheres também matam de risos.

O humor de Liu se encaixa mais com a sua personagem. A ego de Simone é a sua fonte de graça: tudo gira em torno dela e tudo tem que ser sobre ela. Sua voz estridente em momentos de choque ou desespero são uma camada a mais, assim como a sua capacidade natural de não perder a oportunidade de um shade e responder sempre com frases certeiras (“Você acha que eu sou uma prostituta? Pelo amor de Deus, eu estou usando Yves Saint Laurent!“). E, para completar o seu look, Karl é o perfeito acessório para todo esse humor, e a cada episódio um dos pontos mais altos da série é a dinâmica de bate-rebate entre o casal.

E por falar em ponto alto, uma das cenas mais memoráveis de Por Que as Mulheres Matam é o episódio final, quando chegamos aos finalmente das três histórias. Após passar 10 episódios indo e voltando no tempo, a produção resolve reunir os três desfechos em um único espaço (a mini-mansão de Pasadena), como se eles estivem acontecendo simultaneamente – tudo dramatizado com um extenso slow motion. É de tirar o fôlego e elevar os nervos.

Kirby Howell-Baptiste, Reid Scott e Alexandra Daddario

Ao final, Por Que as Mulheres Matam mostra que as mulheres matam por diferentes motivos. Algumas matam por vingança, outras por amor. Algumas matam por compaixão, algumas por obsessão, ou também por ciúmes. Há aquelas que matam por liberdade, e as que matam por auto-defesa. Mulheres matam pelos mais diversos motivos, o que dá a esperada abertura antológica para a série – já confirmada para uma segunda temporada, com uma renovação de elenco trazendo nomes como Lana Parrilla (a Regina, de Era Uma Vez) e Matthew Daddario (irmão de Alexandra e o Alec, em Shadowhunters).

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Música
Agnes Nobre

De olhos abertos para a evolução de Sabrina Carpenter

Sabrina Carpenter termina 2018 lançando seu segundo álbum, “Singular: Act I”, mostrando amadurecimento e focando em uma estética rebuscada. A trajetória da Disney é marcada por revelar jovens talentos da música e da atuação em seus programas infantis e para o público jovem-adulto. Dentre nomes como Miley Cyrus, Selena Gomez e Demi Lovato, temos atualmente uma nova artista que resulta da criação tutelar do estúdio de Mickey Mouse: Sabrina Carpenter. Apesar de ter contato com a música desde bem nova, a artista começou sua atividade na emissora ao ficar em terceira posição do concurso The Next Miley Cyrus Project, ganhando

Leia a matéria »
Crítica
Raquel Almeida

Crítica: “Rocketman”

Jim Carrey, um dos nomes mais conhecidos na indústria do entretenimento do século XXI, há algum tempo vem abandonando a fantasia de super-astro de Hollywood para propor uma outra perspectiva sobre glamour, dinheiro e fama. Há uma frase em um de seus depoimentos que diz “Acho que todo mundo deveria ficar rico e famoso e fazer tudo o que sempre sonhou para que pudessem ver que isso não é a resposta.”. Embora a relação entre Jim Carrey e a cinebiografia de Elton John não seja exatamente óbvia, é sobre essa mesma premissa que Rocketman se desenvolve. Rocketman conta a trajetória

Leia a matéria »
Back To Top