fbpx

“Hilda” estreia na Netflix sendo uma série animada muito bem direcionada, trazendo ensinamentos que funcionam para as crianças, mas foca nos adultos.


A menina simpática de cabelo azul pode fazer você pensar que Hilda, nova animação da Netflix, é um desenho infantil. Mas, a adaptação do quadrinho criado por Luke Pearson levanta temas de importância universal e atemporais, trabalhando-os a partir da perspectiva de uma criança.

Criada e roteirizada por Kurt Mueller, Stephanie Simpson e pelo próprio Pearson, a série acompanha Hilda (Bella Ramsey), uma garotinha simpática e curiosa em sua jornada com a mãe, Johanna (Daisy Haggard), e a corça-raposa, Twig. A jovem ama os animais e a natureza, tem personalidade forte e se apega por tudo que é considerado bizarro. Por ter morado a vida toda na floresta e afastada da cidade grande, Hilda se vê perdida quando ela e sua mãe precisam se mudar para a cidade de Trollburgo, depois que um gigante esmaga sua casa.

https://www.youtube.com/watch?v=f-RvZAu1_7c

Logo no inicio, o desenho nos dá uma lição sobre a dificuldade em passar por grandes mudanças e adaptações. Outro problema enfrentado pela garota é a dificuldade em se conectar com pessoas e fazer amigos novos. Já que estava acostumada a viver na floresta usando de sua imaginação para viver suas aventuras com animais e seres místicos, a garota encontra dificuldades em se conectar com outras pessoas, mas acaba enfrentando seus medos e faz amizade com Frida (Ameerah Falzon-Ojo) e David (Oliver Nelson). Personagens igualmente importantes, seus novos amigos ajudam a narrativa ao nos ensinarem ótimas lições sobre a superação dos medos e sobre organização. David é um garoto dócil e medroso que sempre atrai insetos para si, já Frida é corajosa, determinada e organizada (fora de seu o quarto).

Um dos pontos altos da série é o ótimo trabalho de animação feito por Andy Coyle, que traz um grafismo clássico e um toque vintage para os desenhos ao trabalhar com a animação em 2D. Bella Ramsey, a incrível Lyanna Mormont de Game of Thrones, também se destaca ao entregar um ótimo trabalho na dublagem da protagonista, trazendo doçura, insegurança e delicadeza à voz da personagem.

Hilda não é só bonita de ver, com toda a suavidade no design, mas a mistura do mundo mágico com o real cria um universo novo, com regras e lógicas próprias. Uma ótima opção de escape depois de um dia cansativo, com potencial de prender a atenção de adultos e crianças – e a doçura de Hilda é uma promissora aposta da plataforma de streaming, leve e bem humorada.


Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Na Mise-en-Scène
Raquel Almeida

Na Mise-en-Scène / “A direção de arte em ‘Homecoming'”

Este foi um ano em que me dediquei muito a consumir produtos feitos para televisão. Não estou nada em dia com os lançamentos do cinema, mas as séries de 2018 estão devidamente contempladas. No entanto, eventualmente, bons seriados (desses inacreditáveis de maravilhosos, que até lembram o cinema autoral, com detalhes e recursos de linguagem muito bem pensados) se esgotam e eu estava em um estado de completo abandono. Aí, rolando o Twitter, vi uma crítica com a seguinte chamada: “Pare o que você está fazendo e vá assistir Homecoming“. E assim fiz. Finalmente chegou o dia em que gastarei toda

Leia a matéria »
Back To Top