fbpx

“Good Trouble” coloca sete jovens em uma república para fazer paralelos com o mundo real, em uma primeira temporada misteriosa e intrigante.


Good Trouble é uma série da emissora Freeform, lançada em janeiro de 2019 como spin-off de The Fosters. A produção traz de volta Callie (Maia Mitchell) e Mariana Adams Foster (Cierra Ramirez), personagens de sucesso da série-mãe, que agora, após se formarem na faculdade, decidem começar a vida adulta em Los Angeles. Elas deixam as fraternidades acadêmicas e seguem em um mini caminhão diretamente para o Coterie, uma república repleta de lofts em um teatro na cidade californiana.

https://www.youtube.com/watch?v=HKP-Ts6Vyr8

Assim como The Fosters, Good Trouble coloca em pauta assuntos sociais importantes, como questões raciais, imigração e LGBTfobia, desta vez deixando de lado as dificuldades da adoção e lares adotivos. No seriado que deu origem ao novo programa, cancelado após cinco temporadas, acompanhamos a história de Lena (Sherri Saum) e Stef Adams Foster (Teri Polo), um casal homossexual e mães adotivas dos gêmeos Jesus (interpretado por Jake T. Austin e posteriormente substituído por Noah Centineo) e Mariana (Cierra Ramirez), e de Brendon, filho do casamento anterior de Stef com Mike Foster (Danny Nucci).

Stef e Lena se sensibilizam com a trágica vida da delinquente Callie Jacob, que passou por inúmeros problemas em vários lares adotivos, consequentemente a levando para o reformatório. O casal decide adota-la, assim como seu irmão Jude Jacob. A produção então segue o conturbado processo de adoção e amadurecimento da garota, conhecendo o mundo real e vivendo em um ambiente familiar acolhedor, onde passa a ser compreendida. Cada membro da amada família Adams Foster ganha seus próprios aspectos pessoais e espaço para desenvolvimento, fazendo com que os espectadores sofram com seus sofrimentos, vibrem com suas conquistas e se irritem com suas ideias ruins.

Um pouco inconsequentes e ainda em fase de transição da adolescência para jovens adultas, Mariana e Callie vivem conflitos profissionais de quem acabou de se formar e, ainda, aprendem a lidar com a independência financeira ao se mudarem. Os principais momentos de Good Trouble acontecem no escritório judicial onde Callie trabalha como escriturária do conservador juiz Wilson (Roger Bart) e passa por divergências todos os dias, visto que seu posicionamento político sempre bate de frente com o do chefe. Por outro lado, a outra Adams Foster trabalha na agência Speckulate como engenheira de software, enfrentando os obstáculos de um ambiente de trabalho machista, dominado por homens, em uma indústria onde a mulher é completamente desvalorizada. Mas ambas usufruem de tais situações para se destacarem e tentar mudar a realidade.

Com a ausência dos outros membros da família Adams Foster, Good Trouble vai além de suas protagonistas, contando com personagens secundários bastante marcantes. Um destes exemplos é Alice (Sherry Cola), dona do Coterie, uma asiática engraçada mas que se cobra bastante para manter todos os inquilinos confortáveis e a casa em ordem. Ela vive as inseguranças da superação de um relacionamento que terminou bem até demais, gerando uma amizade com sua ex namorada, Sumi (Kara Wang). Davia (Emma Hunton), muito segura de si e seu corpo, apesar de lutar contra a gordofobia e os padrões da sociedade, mostra que é normal uma mulher forte ter seus momentos de fraqueza e ainda estar em fase de desconstrução e aprender a se valorizar. Dennis (Josh Pence), o mais velho da casa, um musico frustrado, visto por todos como um daddy galanteador que leva sempre uma companhia diferente para casa. É aquele quem ninguém sabe da historia, ninguém quer ouvi-lo, mas é imprevisível e se mostra sábio em suas decisões, se importando com todos – quem sabe ouvi-lo, sempre extrai algo bom.

Malika (Zuri Adele), negra e militante, tem papel bastante notável, sendo o espelho de uma mulher de cor na contemporaneidade. Mesmo sofrendo por conta de seu tom pele e por ser mulher em vários aspectos (como nos relacionamentos e frustrações familiares), é capaz de se mostrar forte e bem decidida quanto seus objetivos, nunca negando ou renegando sua luta. Por fim, Gael (Tommy Martinez) é um artista plástico e designer latino que trabalha na mesma empresa que Mariana, estando em uma fase de bloqueios criativos e indecisões pessoais e profissionais.

Good Trouble faz jus ao nome (tradução livre para Bom Problema), uma vez que todos os personagens tomam decisões que, mesmo sendo bastante impulsivas, têm algum impacto, não só para si mesmos, mas para o coletivo. Apesar da impulsividade de seus atos, a racionalidade sempre vem à tona, deixando em evidência que cada um dos personagem é um trabalho em progresso. Cada um, inclusive, faz um paralelo com a nossa sociedade, adotando algumas características que faz com que a série se enquadre bastante no mundo real e atual.

Não só uma série problematizadora e de cunho empoderador, Good Trouble tem uma trilha sonora bastante envolvente e sensual, adicionando à sua narração. Ainda, a produção tem como diferencial o seu enredo mutável, já que a trama não é linear em sua sequência cronológica, causando desconforto, mistério e intrigas. A primeira temporada traz 13 episódios, com a segunda já confirmada para estrear em junho deste ano, prometendo trazer mais problemas dos jovens moradores do Coterie.


Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Na Diegese
Giulio Bonanno

Na Diegese / Viagens em tempos de absoluta depuração

Viagens no tempo são fantasias que revelam o quão frágeis nós somos. No bom sentido. Apegar-se aos recortes cronológicos ou situar-se numa determinada marcação do calendário é uma manifestação de consentimento com a efemeridade. É de onde derivam-se traduções intensas de angústias perenes, como a saudade e a nostalgia, fazendo da relação com o mundo material um fim em si mesmo. Nossos corpos seguem como veículos nessa estrada pavimentada por horas, minutos e segundos. Muitos autores, cansados de trabalhar numa mesma linha temporal, resolvem extrapolar suas narrativas para vasculhar possibilidades largadas na lixeira. É como pegar aquele velho rascunho amassado
Leia a matéria »
Ilustração
Vitor Santos

Ilustração Vitor Santos #1: Sankofa

vitor santos 19 anos ribeiro bonito inspirações Mike Azevedo, Cesar Rosolino e Guilherme Freitas trabalho dos sonhos: trabalhar em uma empresa que receba destaque pelo que faz e tenha um grupo de profissionais disposto a aprender e ajudar gostaria de trabalhar com: ilustração e concept art para games trabalha atualmente com: graduando de design na Unesp portfólio: behance Sankofa é um projeto que visa conscientizar as pessoas sobre a escravidão, racismo e também preconceito, através da imagem. O nome Sankofa, é inspirado no símbolo africano de um pássaro que voa para frente olhando para trás. O ideograma é da tradição

Leia a matéria »
Televisão
Bruna Curi

O sucesso de Lady Night

“Lady Night”, apresenado por Tatá Werneck, é facilmente um dos melhores talk-shows brasileiros, cheio de humor inteligente e uma apresentadora carismática. Quem nunca ouviu a frase “Tamanho não é documento“? Apesar de ser utilizada em outros contextos, a afirmação funciona perfeitamente para resumir os programas humorísticos da televisão brasileira uma vez que com 1,52m de altura, Tatá Werneck vem conquistando um enorme sucesso com o seu programa Lady Night, exibido no Multishow e com sua terceira temporada garantida (ainda sem data de estreia definida). A comediante começou a mostrar o seu talento no programa Trolalá, exibido na MTV. Com falta

Leia a matéria »
Back To Top