fbpx
"Desejo Sombrio" fala sobre feminicídio no subtexto de uma trama que combina uma narrativa de investigação criminal a muita sensualidade.

“Desejo Sombrio” fala sobre feminicídio no subtexto de uma trama que combina uma narrativa de investigação criminal a muita sensualidade.


AA união de investigação criminal e cenas quentes em uma mesma série é a combinação perfeita para muitas pessoas. A Netflix não é boba e faz questão de lançar várias produções nesse estilo. A última, que está dando muito o que falar, é Desejo Sombrio, uma série mexicana estrelada pela ex-RBD, Maite Perroni.

https://www.youtube.com/watch?v=Y1si6GmjXKc

Após uma noite quente com Darío Guerra (Alejandro Speitzer), um jovem sedutor, a renomada advogada e professora Alma Solares (Maite Perroni) decide voltar para sua vida normal como se nada tivesse acontecido. Contudo, logo ela percebe que não será possível fazer isso.

Não demora muito para que a vida de Alma vire de cabeça para baixo e se transforme um verdadeiro filme de romance policial. Para complicar a situação, Leonardo Solares (Jorge Poza), seu marido e um respeitado juiz, e Zoe (Regina Pavón), a filha universitária do casal, também são arrastados para esse caos. Apenas uma noite de sexo foi necessária para revelar segredos, mentiras e desencadear uma investigação sobre um possível assassinato.

Com 18 episódios de 30 minutos cada, a série é muito intensa e com uma trama de Desejo Sombrio rica em detalhes. Ao longo da investigação, tanto a polícia quanto o espectador são enganados e ficam presos em falsas suposições. A história é muito intrigante e causa um bom suspense, trazendo várias reviravoltas e mudando o rumo das buscas policiais a cada episódio.

Contudo, pelo ritmo acelerado e pouca duração dos episódios, acontecem plot twists demais e os fatos ficam bem embaralhados em alguns momentos. Com a cada hora um sendo culpado ou surgindo uma pista que manda tudo para uma nova direção, não dá muito tempo para o espectador entender exatamente o que está acontecendo e digerir os fatos. Ainda assim, a Desejo Sombrio percorre um excelente caminho narrativo e consegue trazer muitas surpresas.

Para Maite Perroni, que ficou marcada pela atuação da puritana Lupita Fernandéz na telenovela Rebelde, essa série foi um grande avanço na carreira. Apesar de não ter sido sua única atuação, o sucesso de Rebelde foi o suficiente para que ela fosse associada somente à virgem, inocente e até mesmo boba Lupita, mas Desejo Sombrio certamente muda isso. A personagem Alma Solares, além de muito obstinada e inteligente, ganhou um enorme destaque na série principalmente nas inúmeras cenas de sexo. Quem já acompanha Maite Perroni há um tempo jamais viu a atriz atuar em cenas tão quentes e intensas.

A série não veio para brincar e enche os episódios de momentos lascivos e quentes. Já pode tirar o uniforme da Elite Way School, Maite, pois agora você será conhecida por uma outra história.

Um ponto interessante e bem executado de Desejo Sombrio é colocar uma discussão sobre feminicídio como plano de fundo. Apesar de não ser o foco, todos os episódios contam com uma breve discussão sobre o assunto, feita pela protagonista Alma Solares, que ministra um seminário sobre violência contra a mulher. Foram trazidos vários fatos sobre o assunto, sempre pontuando que a mulher sempre é a vítima e batendo na tecla que não existe crime “por amor”.

É importante frisar que a série contém algumas cenas de violência e suicídio, que podem ser fortes para algumas pessoas. Há um alerta nos episódios mais pesados (ainda bem), mas é bom deixar claro que as cenas podem ser bem incômodas.

O último episódio deixa muitos pontos abertos para seguir numa segunda temporada, que ainda não foi confirmada pela Netflix. A renovação de Desejo Sombrio depende da avaliação e recepção do público, então vamos assistir para ano que vem estarmos comentando sobre a continuação, combinado?

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Filmes
Deborah Almeida

O que vem depois da morte?

“Às vezes estar morto é melhor”. Essa é a principal mensagem de Cemitério Maldito, dirigido por Kevin Kölsch e Dennis Widmyer. Contudo, diferentemente das personagens que permeiam o filme e que demoram para entender a premissa, o trabalho dos diretores faz com que o reboot do filme de 1989 tenha personalidade e comprove que nesse caso foi melhor trazer a franquia de volta a vida. A história começa quando Louis (Jason Clarke) e Rachel (Amy Seimetz), junto aos filhos Ellie (Jeté Laurence) e Gage (interpretado pelos gêmeos Lucas e Hugo Lavoie), mudam de Boston para Ludlow para terem uma vida melhor.

Leia a matéria »
Indicação
Carolina Cassese

Mulheres fortes nas animações

Personagens caricatas, mal construídas e repetitivas. Infelizmente, muitas produções não se preocupam em representar bem as mulheres. Para espanto de alguns, até nos filmes de princesa os homens detém a maior parte das falas. Em A Bela e a Fera, Branca de Neve e a A Pequena Sereia, por exemplo, cerca de 72% dos diálogos são monopolizados por homens. E no caso de outros clássicos como Aladdin e Toy Story, a porcentagem chega a 90%. O estudo completo, que associa diálogos de filmes com questões de gênero, foi realizado pelo instituto Polygraph. Até mesmo nos dias atuais, sabe-se que a indústria
Leia a matéria »
Back To Top