fbpx
Com "Sísifo", Gregório Duvivier combina Hamlet e memes para fazer um auto retrato da história brasileira – que parece se repetir com o tempo.

Com “Sísifo”, Gregório Duvivier combina Hamlet e memes para fazer um auto retrato Histórico do Brasil.


EEntre os dias 1 e 2 de novembro ocorreu em Belo Horizonte, no Teatro SESIMINAS, as apresentações da peça de teatro Sísifo. A produção é um monólogo estrelado por Gregório Duvivier, com texto do próprio ator e de Vinicius Calderoni, conhecido por seu trabalho na área musical, cinematográfica e teatral.

O nome da peça faz referência ao mito grego homônimo. Na mitologia, Sísifo ficou conhecido por ser um dos mortais mais astutos, sendo capaz de enganar os deuses e a morte em duas ocasiões. Por conta de sua audácia em desafiar os deuses, Sísifo recebeu uma punição: por toda eternidade ele seria obrigado a empurrar uma pedra até o topo de uma montanha e toda vez que estivesse chegando ao topo, a pedra rolaria para baixo, fazendo com que ele tivesse que executar tudo de novo, num trabalho repetitivo e cansativo.

Foto de: Daniel Barboza

É com esta inspiração que o monólogo se desenvolve. Tudo começa com Gregório descrevendo o seu trajeto numa festa para pegar uma bebida, de forma que ele passa a repetir o mesmo movimento várias e várias vezes, acrescentando novos acontecimentos que vão ocorrendo durante essa travessia. É como se ele estivesse preso em um looping temporal, tendo de executar as mesmas ações repetidamente.

Esse enredo da festa é o ponto de partida para Duvivier discutir outras questões. Ele faz piadinhas em diversos momentos de Sísifo, faz referências à Hamlet, e compara a repetição de suas ações com um gif. Contudo, o monólogo não se contém apenas em entreter o público, sendo possível perceber certas críticas sociais ao longo da peça.

Uma das críticas aborda a necessidade que as pessoas têm de compartilhar tudo de suas vidas nas redes sociais, sempre mostrando o que estão fazendo no Instagram ou no Facebook. Além disso, em certo momento do monólogo, também é feita uma crítica relacionada à situação política do Brasil. Nesse momento, Duvivier relembra algumas tragédias que aconteceram ao longo dos últimos anos: o assassinato de Marielle e Anderson Gomes, o fogo no Museu Nacional do Rio de Janeiro, a morte de Ágatha Félix, as queimadas na Amazônia e as manchas de óleo no litoral brasileiro.

Além das críticas afiadas, dois outros elementos que chamam atenção em Sísifo são a trilha sonora e a iluminação, que variam de acordo com o assunto tratado. Sempre que Gregório pula da rampa, as luzes se apagam e surge um som que combina bastante com o contexto. Quando o ator está falando sobre o amor, é possível notar uma iluminação mais avermelhada, mas se ele está falando sobre um assunto mais triste ou até mesmo sobre o mar a iluminação ganha um tom mais azulado.

O grande ponto positivo de Sísifo é a presença de palco de Gregório Duvivier, que mesmo tendo que fazer movimentos repetitivos e cansativos, parece não perder a energia em nenhum momento. Ele pula, rola, dança, corre e sempre parece estar com a energia lá nas alturas; é revigorante assisti-lo. O ator é capaz de arrancar várias risadas do público, mas também é capaz de provocar profundas reflexões com as críticas apresentadas ao longo do monólogo.

É impossível negar a genialidade do monólogo escrito por Calderoni e Duvivier. Sísifo pode ser considerado um auto retrato da  própria história, que parece se repetir de tempos em tempos.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Filmes
Giulio Bonanno

E se o Super Homem fosse do mal?

Bons filmes de terror nos colocam a par de nossas inseguranças. Por meio deles, somos convidados a questionar ou até mesmo ressignificar um expoente traumático da existência consentida. O medo é só uma parte disso. Talvez, a expos ição mais aguda e irracional diante de uma situação que desconhecemos. Os medos fluem com o tempo, geração após geração. Acompanhar essa dinâmica não é exclusividade do cinema, mas não é difícil apontar a sétima arte como ferramenta eficiente e duradoura no estudo daquilo que tememos. Produção meio que pessoal de James Gunn (com roteiro assinado por membros de sua família), Brightburn:

Leia a matéria »
Back To Top