skip to Main Content
Outlander: Um Amor Através Dos Séculos

Outlander: um amor através dos séculos

Você já imaginou como seria se o amor da sua vida vivesse no século passado? É nessa premissa que se baseia a série Outlander, exibida originalmente no canal Starz (aqui no Brasil a série é exibida pelo canal Fox Premium 1). A história foi baseada na série de livros da escritora Diana Gabaldon, que publicou a primeira edição nos Estados Unidos em 1991.

A trama se passa após o fim da Segunda Guerra Mundial e acompanha a vida da britânica Claire Randall (Caitriona Balfe), uma enfermeira que está determinada a se reaproximar de seu marido Frank (Tobias Menzies). Eles passaram muitos anos separados devido ao conflito e acabaram se tornando verdadeiros estranhos uns para o outro, de maneira que uma segunda lua de mel parece ser a oportunidade perfeita para uma reaproximação, para eles se conhecerem novamente. E o destino escolhido pelo casal é Inverness, na Escócia, que parece ser o local ideal para um recomeço, além de permitir que Frank pesquise sobre o passado de sua família.

Contudo, a ocasião não sai como planejado. Claire descobre, por engano, um portal (conhecido pelos habitantes locais como Craigh na Dun) e acaba sendo transportada para a Escócia, no ano de 1743. Inicialmente, ela acredita que se trata de algum engano, que ela foi parar em um cenário de um filme de época e até mesmo que ela está ficando louca. Porém, a situação é bem real, assim como os seus perigos.

Em um só dia ela faz uma viagem temporal para o passado, quase é assassinada e estuprada. Claire ainda teve um encontro assustador com o temido Jack Randall (Tobias Menzies), também conhecido como Black Jack, o antepassado de seu marido. E, posteriormente, ela conhece Jamie Fraser (Sam Heughan), um guerreiro das Terras Altas por quem acaba se apaixonando.

A terceira temporada de Outlander se passa 20 anos após os acontecimentos da segunda temporada, quando Claire e Jamie se separaram: ela atravessou o portal voltando a Escócia em 1948 (três anos após o seu desaparecimento), enquanto Jamie acreditava que morreria na Batalha de Culloden. Duas décadas é muito tempo para ficarem separados, muitas coisas aconteceram, mas o amor entre os dois permaneceu vivo após tantos anos.

Após voltar para o seu tempo, o século XX, Claire retomou para o seu casamento com Frank. Ela não tinha muitas alternativas, ainda mais que estava grávida de um homem que tecnicamente já estava morto. Porém, com a volta do casamento algumas condições foram impostas: Claire foi obrigada a fechar com sete chaves o seu passado e esquecer tudo que viveu ao lado de Jamie na Escócia. Ela se mudou para Boston junto de Frank para começar uma vida nova.

O amor existente entre Claire e Frank havia acabado, só restavam boas lembranças do que tinham passado juntos e respeito, contudo isso não foi suficiente para sustentar a relação. O que lhes unia era Brianna (filha de Claire com Jamie, interpretada por Sophie Skelton), a filha que eles criaram juntos. Fora isso, não existia nenhuma ligação entre eles. Frank passou a ter casos extraconjugais, enquanto Claire passou anos estudando  para se tornar médica e se dedicando à profissão.

Enquanto isso, na Escócia no século XVIII, Jamie não morreu na batalha como ele tinha planejado e como desejava – em alguns momentos a perspectiva de morrer era melhor do que viver em um mundo onde Claire não existia. O fato de ter sobrevivido lhe causou algumas consequências, ele acabou se fechando em seu próprio mundo uma vez que sua vida estava sem rumo; ele sentia-se perdido.

Somente em 1968, após a morte de seu marido, Claire retornou para a Escócia junto de sua filha Brianna. É quase uma viagem para o passado, que aflora em Claire diversos sentimentos em relação ao que viveu lá há 20 anos. Com a ajuda do historiador Roger Wakefield (Roger Wakefield), Claire começa a procurar evidências que mostrem se Jamie morreu na batalha ou não. É uma procura cansativa e intensa, uma vez que os dados históricos da época eram poucos. Além disso, rendeu um atrito entre mãe e filha.

Os primeiros episódios da terceira temporada contaram com vários flashbacks, que ajudaram a mostrar como Claire e Jamie lidaram com a separação, como eles fizeram para seguir com suas vidas. Alguns foram focados mais em Claire, como ela fez para lidar com a maternidade, com o seu casamento às ruínas e com o trabalho em uma área dominada por homens. E os episódios focados mais em Jamie trabalharam como ele fez para seguir em frente com a sua vida, do sacrifício que fez por sua família, suas idas e vindas pra prisão e de seu retorno permanente para Escócia, para as terras de sua família após ter passado tantos anos longe.

Em uma entrevista para o site Omelete, Caitriona Balfe comentou sobre esse momento que a sua personagem enfrentou durante a terceira temporada; de como a protagonista se mantéu de cabeça erguida apesar da tristeza e outros problemas da vida: “O que é interessante sobre interpretá-la nessa temporada, é que ela teve tanto sofrimento e perda, mas ela está grávida, então não tem outra opção além de realmente tentar criar uma vida positiva e de sucesso para si mesma. Ela não tem o luxo de ter pena de si mesma ou viver miseravelmente, já que ela tem que tentar construir uma família saudável para sua filha viver”.

O reencontro entre Claire e Jamie foi um grande momento esperado pelos fãs, acarretando muitas emoções. Ao mesmo tempo em que quer se reencontrar com o grande amor de sua vida, Claire sabe que é uma ida sem volta e ficar longe de sua filha parece ser um sacrifício muito grande. Será que realmente vai valer à pena? Além disso há uma dúvida crucial: e se Jamie tiver encontrado um novo amor? Se ele tiver se esquecido dela?

As coisas para esse casal nunca foram fáceis, eles sempre tiveram que enfrentar diversas dificuldades, e não é justo agora que vão ser. O reencontro teve uma carga emocional muito grande, afinal de contas estavam separados por tanto tempo que parecia ser um verdadeiro milagre se encontrarem novamente, principalmente, para Jamie que não esperava rever Claire.

Fica evidente que os dois mudaram, que não são as mesmas pessoas de antigamente, mas o amor entre eles permanece mais forte do que nunca. Leva certo tempo para que os dois se acostumem novamente com a presença um do outro, mas algumas coisas parecem não mudar: continua sendo uma relação repleta de confusões, brigas, tapas, beijos e muito amor.

Um ponto alto da terceira temporada foi a relação entre Claire e Brianna. Mãe e filha tiveram desentendimentos quando toda a verdade sobre o passado de Claire na Escócia veio à tona e a verdade sobre o pai de Brianna foi revelada. Isso causou certo abalo entre as duas, mas, no final o amor acabou falando mais alto. A filha tornou-se a maior apoiadora para que a mãe fosse em busca de seu verdadeiro amor, mesmo que isso significasse abrir mão dela e correr o risco de nunca mais vê-la. Foi uma despedida emocionante.

Outro destaque desta temporada foi a inclusão de um novo inimigo em potencial (nas temporadas anteriores, principalmente durante a primeira temporada, esse papel era do temido Black Jack) que ficou conhecido somente como Barka, criando certo mistério. A revelação da verdadeira identidade foi feita no penúltimo episódio da série (The Barka, 3×12) e trata-se de uma pessoa do passado de Claire: Geillis Duncan (Lotte Verbeek). É como se um fantasma tivesse voltado para assustá-la. Na primeira temporada a escocesa já apresentava um caráter dúbio que causava certa inquietação, agora, fica claro que Geillis nunca foi tão boa como aparentava.

A terceira temporada de Outlander teve de tudo um pouco: momentos emocionantes, de nostalgia ao rever personagens antigos e de muita ação – Claire e Jamie mal tiveram um tempo de ficarem juntos na Escócia e de finalmente construírem a vida com que sonhavam. Eles tiveram que partir, se aventurando no alto mar e correndo alguns perigos até chegarem na Jamaica. Novos personagens se juntaram ao elenco da série o que foi muito enriquecedor, ajudando a criar novos enredos e intrigas.

Essa temporada de Outlander conseguiu resgatar toda a aventura que a série apresentou na primeira temporada, uma vez que boa parte da segunda temporada teve um foco maior em tramas políticas e o conflito em si ficou mais para o final, criando uma trama extremamente emocionante. É como se a série tivesse voltado ao seu príncipio. Agora, resta torcer para a próxima temporada (que já foi confirmada e contará com 13 episódios baseados na obra Drums of Autumm, o quarto dos oito livros da série de obras best-seller de Diana Gabaldon) ser tão boa quanto as anteriores.


bruna curi

tem 20 anos, é estudante de Jornalismo, mineira, capricorniana e blogueira nas horas vagas. apaixonada por Livros, Filmes e Séries. gosta de escrever, é uma de suas maiores paixões.

Comente com a gente!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Back To Top