skip to Main Content
A Vez Das Polaroids

A vez das polaroids

Nota do Editor: este texto contém spoilers.


Desde sua estreia, 13 Reasons Why se mostrou como o tipo de série “ame ou odeie”, principalmente pelos conteúdos que buscou abordar (bullying, depressão, suicídio). Com a chegada da segunda temporada, no dia 18 de maio, essa característica voltou ainda mais forte, somada a um sentimento que grande parte dos telespectadores compartilhavam com o anúncio de um novo ano: a falta de necessidade. Mas a série, adaptada do livro homônimo de Jay Asher e produzida pela Netflix, é vítima do próprio sucesso, o que deu aos envolvidos o desafio de quais decisões tomar para dar continuidade à história de Hannah Baker (Katherine Langford) de uma forma satisfatória.

A história da segunda temporada gira em torno do processo aberto pela mãe de Hannah, Olivia Baker (Kate Walsh), após o suicídio de sua filha, alegando negligência por parte da escola, diante do bullying do qual a garota era vítima. Assim, Olívia Baker é um dos destaques da temporada, estando mais presente e, mesmo que muito fragilizada, lutando para conseguir justiça pela filha e em busca de alento dando atenção à alguns dos colegas de Hannah.

Os episódios mostram como cada um dos personagens seguem com suas respectivas vidas após a morte da garota, assim como os efeitos resultados do ato. Porém, mesmo morta, a jovem ainda está presente ao longo dos episódios. Em flashbacks e aparições para Clay (Dylan Minette), Langford aparece com uma atuação impecável. O garoto, por sua vez, passa por um momento muito conturbado após a perda de sua amada e tenta a todo custo superar sua ausência. Clay chega a engatar um romance com Skye (Sosie Bacon), mas não consegue parar de pensar em Hannah e começa a vê-la em todos os lugares.

Bem no estilo “Ghost: Do Outro Lado da Vida”, Clay pode ver e interagir com fantasma de Hannah, mas também é o único que consegue realizar tal faceta

A narrativa preenche todas as lacunas deixadas anteriormente, trazendo outra versão dos fatos. No tribunal, cada personagem cita suas vivências com Hannah, o que mostra mais sobre eles mesmos e revela muitos segredos. Na primeira temporada, a grande revelação vinha das fitas K7 deixadas pela garota, agora Clay recebe intrigantes fotos polaroids que revelam um mistério e cada vez mais, anseia que seja feita justiça por sua amiga.

Os novos treze episódios, que se divide entre momentos de fortes emoções e monotonia, dá a chance para novos personagens brilharem, como aqueles que ficavam em segundo plano na temporada anterior. Destaque para Jéssica (Alisha Boe), que dessa vez vem ainda muito fragilizada, mas recebe o apoio dos amigos e toma frente da luta para fazer seu agressor ser punido. A garota também protagoniza umas das cenas mais impactante da temporada, onde ela e outras mulheres, incluindo a própria Hannah, relatam casos reais de abuso sexual.

Jéssica, como mostrado na primeira temporada, foi vítima de abuso sexual, assim como Hannah, tendo a oportunidade, agora, de ser resiliente e contar sua história

O público se divide entre quem acha a série necessária e quem não. Independente de conclusões, 13 Reasons Why precisa ser vista com critério e cautela, principalmente por aqueles que já passaram por alguma das situações abordadas ao longo da narrativa. Apesar de ser inegavelmente um gatilho, a série pode ser uma forma de sensibilizar, conscientizar e educar pessoas que estão aquém dessas questões. Desta forma, a série se comprometeu em colocar, antes dos episódios, anúncios que alertam sobre o conteúdo provocativo da série, além de fazer os próprios atores aparecerem em uma chamada que incentiva os telespectadores a procurar ajuda em casos de abalos psicológicos e/ou emocionais, uma importante ação de prevenção que se faz muito necessária diante do teor das cenas mais fortes ao longo de toda a narrativa.

Apesar de trazer uma temporada mais “leve” do que a anterior, 13 Reasons Why traz muita emoção, adrenalina e ainda conta com cenas muito impactantes, mostrando cada vez mais que esta é uma série feita para chocar o público. O pano de fundo ainda é o suicídio, mas dessa vez outros temas também estão em voga, como os transtornos psicológicos, massacres e o uso de drogas, e tem o abuso sexual como assunto principal.

Se tratando de 13 Reasons Why, sempre existirá o dedo na ferida. Os temas são fortes, a mensagem é chocante e sempre existirão muitas discussões, tanto para o lado positivo, quanto para o lado negativo. A narrativa não nos dá um final feliz, mas tem um potencial muito grande de despertar a empatia e indignação de quem assiste, uma espécie da chamada à realidade.

A série trouxe uma segunda temporada mais fraca, uma vez que retoma uma situação que já ficou encerrada ao fim da primeira. A expectativa para uma terceira temporada que responda às questões deixadas no fim da segunda é grande, mas, se houver confirmação, desta vez Hannah Baker não retorna.


O CVV – Centro de Valorização da Vida realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, email, chat e voip 24 horas todos os dias.

Atendimento pelo número 188 ou no site https://www.cvv.org.br/


ana luisa santos

tem 22 anos, jornalista, Fotógrafa, confeiteira e estudante de Publicidade e Propaganda. apaixonada pela arte do registro, sabe tudo sobre cabelo e se aventura no mundo das finanças. é capricorniana, workaholic, ama Livros, Séries e animais.

Comente com a gente!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Back To Top