fbpx
Em “Mais Feliz”, mostra um outro lado de Zeca Pagodinho, com canções que falam de amor de maneira bonita e até mesmo melancólica.

“Mais Feliz” mostra um outro lado de Zeca Pagodinho, com canções que falam de amor de maneira bonita e até mesmo melancólica.


ZZeca Pagodinho lançou no mês de setembro o seu novo disco. Intitulado Mais Feliz, o álbum também poderia se chamar “Mais Romântico”, pois mostra um outro lado de um dos sambista mais amados do Brasil, com canções que falam de amor de maneira bonita e até mesmo melancólica.

Capa do álbum

Ao todo, são 14 faixas no compilado, como Não Vou Magoar Meu Amor, uma das mais animadas, e Na Cara da Sociedade. Mais Feliz, que dá nome ao álbum, é uma ode ao amor romântico dos casais apaixonados, cuja melodia contrasta com a voz de Zeca e torna a canção agradável, ajudando a instigar a vontade de conhecer as próximas faixas.

Sexta-feira, foge do romantismo habitual e traz o lado trabalhador à tona. Em quatro minutos de música, o cantor celebra o fim de semana regado à cerveja e samba. A melodia harmoniza bem o som da cuíca e do pandeiro, dando destaque a voz de Zeca Pagodinho. A faixa é ideal para começar o final de semana, afinal, como diz a canção: “A vida é dura, mas que bom que existe o samba pra relaxar”.

As parcerias de Mais Feliz também merecem atenção, como Destaque do Amor, onde artista e Xande de Pilares cantam o samba de reconciliação. Em Apelo, canção de Vinícius de Moraes, a parceria se dá com o violonista Yamandú Costa e o bandolinista Hamilton De Holanda, companheiros já de outras canções.

Por fim, O Sol Nascerá, composição de Cartola e Elton Medeiros, ganha vida com Zeca Pagodinho e Teresa Cristina e protagoniza a abertura de Bom Sucesso, novela das 7 da Rede Globo. Na composição, a parceria acontece com Nuvens Brancas de Paz, a 13ª faixa do álbum, feita em parceria de Marcelinho Moreira e Arlindo Cruz, amigo e compadre do cantor – é a ele que o disco é dedicado.

E quem também gosta de um forrózinho vai adorar dançar agarradinho com Um é Ruim, Outro é Pior. Com um toque de sanfona de Kiko Horta, a faixa surpreende pela pegada um pouco rural, e Zeca Pagodinho não decepciona. E provando que o disco não tem só românticas, Na Cara da Sociedade traz uma crítica social à violência enfrentada e clama por paz no Rio de Janeiro. Zeca lamenta: “Sou carioca, mas sei que meu Rio não anda legal”.

Ao final, Mais Feliz não decepciona e mantém a qualidade já esperada pelos fãs de um dos maiores cantores e compositores do Brasil. Mesmo enfrentando uma fase melancólica com a morte de amigos como Beth Carvalho e Elton Medeiros, o cantor cumpre o que sugere no título e deixa a vida do brasileiro pelo menos um pouco mais feliz.


PLAYLIST


Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Crítica
João Dicker

Crítica: “Mare Nostrum”

Durante toda a projeção de Mare Nostrum, longa que marca o retorno de Ricardo Elias para a direção de um longa metragem depois de 12 anos, o sentimento de incomodo perdura por diversas razões. Se por um lado este desconforto é intencional, causado pelo intimismo existente na forma com que o filme trabalha a temática familiar e pela jornada pessoal do protagonista, por outro há um incomodo de que o inchaço narrativo – temático e de acontecimentos – acaba exaurindo um pouco da magia da produção. A trama do longa traz como cerne temático e de seus acontecimentos questões familiares.

Leia a matéria »
Back To Top