skip to Main Content
O Hexa De Bruno Mars

O hexa de Bruno Mars

No evento mais esperado do mundo da música, a zebra apareceu e o talentoso Bruno Mars foi o maior vencedor da noite. Com seu álbum 24k Magic, ele conseguiu somar seis prêmios, incluindo o de Álbum do Ano, com o já citado último trabalho do cantor, e o de Canção do Ano, com a canção That’s What I Like. Mas o que leva um álbum a ser tão premiado? Quais aspectos musicais que fazem um trabalho ser amplamente aclamado pela crítica especializada?

Antes de qualquer coisa, é preciso fazer um breve passeio pela história da música pop, para entender onde ela chegou e seus responsáveis por ditar os rumos tomados. O termo Música pop significa “Música Popular”, que faz um contraponto à suposta “Música Erudita”, estilo tido como elitizado e muito restrito. O pop é o total contrário disso, ele é fácil de entender e feito de uma forma que agrade a grande população, sendo mais comercial, muitas vezes simples e, principalmente, palatável.

A música pop evoluiu muito dos anos 50 até os dias de hoje, o que antes era classificado como tal, como os Beatles e os Rolling Stones, hoje encontra outra definição devido às constantes mudanças que o estilo sofre. Sim, mudanças.

Muito diferente de outros estilos, que costumam ter ramificações, o pop tem apenas mudanças, não importa o quanto o estilo musical se altere, ele não vai receber denominações como “pop alternativo, ou “pop psicodélico”, ele é apenas o “pop”. O que se tem por definição desse estilo hoje é uma mistura de bases semelhantes a música eletrônica e os vocais potentes dos personagens que compõem esse cenário. Há também quem aposte na mistura de vários estilos em um só ou quem aposte em utilizar certos aspectos de um estilo só, para criar uma característica marcante para o artista, caso do ganhador de seis prêmios na noite do Grammy.

Brunos Mars apareceu para o mundo musical em 2010 e despertou o interesse e fascínio de várias pessoas. Não era à toa, o mundo ainda lamentava a morte do maior expoente da história da música pop, Michael Jackson. As semelhanças e comparações logo começaram a aparecer, a influência do Rei do pop no músico recém-chegado até então era gritante. Sua forma de compor era parecida, seu timbre de voz era parecido, as melodias eram parecidas e as referências gritantes da música negra eram outra semelhança presente nas músicas de Mars, que evoluiu ainda mais com o tempo. Os aspectos musicais presentes na composição do músico sempre lembravam uma música ou outra de Michael, o que começava a levantar perguntas sobre o futuro do artista. Será que tínhamos um novo gênio? Sim, nós tínhamos.

Assim como muitos outros gênios que surgiram na história da música, era nítido o tamanho da capacidade que ele tinha, suas composições eram cativantes, com suas letras carregadas de sexualidades e seus instrumentais que remetiam ao Funk e ao R&B. Além disso, sua voz e seu alcance vocal eram impressionantes, daqueles que faziam parecer fácil cantar e compor. As performances também nunca deixaram a desejar.

No Grammy 2018, Bruno Mars performou o single “Finesse” ao lado da rapper Cardi B, sendo colocado como uma das melhores apresentações da noite

Com o tempo, não sabendo se foi porque acostumamos com as características, muitas vezes repetitivas, ou talvez até pelo fato do enorme número de outros talentos surgindo e o mercado ter passado por enorme transformação, o cantor deu uma apagada em sua luz. Até que resolveu se destacar no ano em que todas as apostas eram a já gasta e repetitiva música latina de Justin Bieber, e os gritos de protesto e revolta de Kendrick Lamar.

O álbum 24K Magic veio com tudo, dessa vez com uma diversificação musical imensa, Bruno Mars soube mostrar que sabe sim se adequar ao mercado e suas mudanças, mas sem esquecer suas influências. Com uma carga de musicalidade negra (Funk e R&B) muito presente, ele conseguiu não ser tão enjoativo e repetitivo quanto era antes, suas músicas agora variam, passam um pouco pela influência do rap que fica em evidencia nessa nova fase da música pop, apostam mais para as melodias marcantes e o alcance vocal do cantor e, claro, mostram toda a influência do Rei do Pop no cantor. Esse álbum ainda reforça como Mars também sabe mudar o ritmo e o andamento das músicas, ele também sabe escrever músicas lentas e românticas com muito talento. É inegável a crescente de Bruno Mars desde o seu sucesso até aqui e isso fica em evidência quando seu último álbum é o maior ganhador da noite do Grammy em 2018.

A obra veio para provar que o artista soube se atualizar e acompanhar as tendências que vinham na música desde então, ela também seguia um modelo certo, típico de álbuns que ganham Grammy atualmente: Tem a música “baladinha”, tem a música lenta, tema a música mais elaborada, o trabalho já foi feito pensando em tudo e abusou dos melhores aspectos musicais de Bruno Mars. O Grammy não errou em premiar o cantor com as seis estatuetas e surpreender o grande público e finalmente, já era hora de renovar os talentos.


guilherme rodrigues

estudante de Jornalismo, 21 anos, Músico e apaixonado por Cultura Pop.

Comente com a gente!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Back To Top