fbpx
Baco Exu do Blues lança o álbum "BLUESMAN" apostando pesado no Blues, cantando versos sobre romance, autoafirmação e negritude.

Baco Exu do Blues lança o álbum “BLUESMAN” apostando pesado no Blues, cantando versos sobre romance, autoafirmação e negritude.


T“Tudo que quando era preto era do demônio e depois virou branco e foi aceito eu vou chamar de Blues.” É assim que o rapper baiano, de 22 anos, Diogo Moncorvo, mais conhecido como Baco Exu do Blues, inicia seu novo álbum, BLUESMAN. O material, marcado pelo passeio entre a vivência, romance, autoafirmação, raiva, negritude e saúde dos negros, dá a densidade necessária a obra do artista.

Quem lembra de Baco Exu do Blues ganhando a cena do rap, em 2016, com a música Sulicídio, em parceria com o rapper pernambucano Diomedes Chinaski, talvez entenda melhor a importância de um álbum tão bem produzido como esse. Na faixa citada, os artistas escancararam os preconceitos que as produções culturais nordestinas, especialmente o rap, enfrentam no restante do Brasil. Em seguida, Baco deu ao mundo o seu álbum de estreia Esú, um material que lhe rendeu bons frutos, prêmios e o hit Te Amo Disgraça.

Todo esse caminho ajudou na construção do novo disco. No entanto, antes do lançamento, o público pôde escutar outras canções do artista. Estes são os casos das faixas Facção Carinhosa, Sinfonia do Adeus, a trinca Banho de Sol, Tardes que Nunca Acabam e Última Noite, além de Lovesong, que serviu para apresentar ao público o novo artista de seu selo, Shan Luango.

Como de costume em seus trabalhos, o rapper traz uma imagem para representar cada música. Em Esú, as fotografias ficaram por conta de Mario Cravo Neto. Para BLUESMAN, Helen Salomão é a fotógrafa responsável por traduzir as canções em imagem. Porém, a capa do disco ficou por conta de João Wainer, conversando bem com o restante dos materiais trabalhados. O registro mostra um homem negro tocando guitarra dentro do Carandiru, que na época era o maior presidio da América Latina.

https://www.youtube.com/watch?v=-xFz8zZo-Dw

 

Homem do Blues

BLUESMAN continua extrapolando os limites de um álbum convencional de rap ao ganhar um curta-metragem, de oito minutos, desenvolvido em parceria com o Coala Festival e a agência AKQA. Dirigido por Douglas Bernardt e disponibilizado no Youtube, Baco Exu do Blues conta em sua conta no Instagram que o filme é uma parte dele, para seus fãs: “Espero que vocês me entendam e se não entender só sinta”.

A faixa-título começa com um sample da musica Mannish Boy,  grande sucesso do blues, interpretado por Muddy Waters em 1955. Aliado a isso, a letra apresenta o conceito do novo álbum. “Eu sou o primeiro ritmo a formar pretos ricos / O primeiro ritmo que tornou pretos livres / Anel no dedo, em cada um dos cinco / Vento na minha cara, eu me sinto vivo / A partir de agora considero tudo Blues / O samba é Blues, o rock é Blues, o jazz é Blues, o funk é Blues, o soul é Blues, eu sou Exu do Blues / Tudo que quando era preto era do demônio e depois virou branco e foi aceito eu vou chamar de Blues / Jesus é Blues”, é tudo que Baco diz sobre a canção. E não precisa dizer mais nada.

A faixa Queima a Minha Pele traz a parceria com o cantor Tim Bernardes. A música começou a ser composta pelo refrão, mais tarde ganhou a melodia, os beats e só depois os versos ganharam vida. “Ela foi feita com urgência, ela precisava ser feita e foi concluída nos 45 do segundo tempo. Quando escuto essa música sinto a dor do Blues, sem necessariamente estar ouvindo Blues”, revela Baco Exu do Blues. Com um forte potencial para se tornar um hit, Me Desculpa Jay Z é a canção que fala sobre relacionamento, fraquezas e inseguranças. Interessante dizer que, inicialmente, a música se chamaria Blues da Bipolaridade, por todos os caminhos descritos na letra.

Já a sequência, Minotauro de Borges, mostra Baco Exu do Blues em seu estado de autoafirmação, endeusado pelo seu povo. Além disso, o uso da percussão permite uma aproximação maior com as produções de Esú. De acordo com o rapper “essa música é sobre a lógica da monstruosidade em um jogo de velar e revelar o monstro”.

Kanye West da Bahia talvez seja a canção mais ousada, em termos de produção. Há uma mistura de ritmos que nos conduz de melodias caribenhas à beats que nos remetem ao próprio Kanye West. Além disso, a música, que tem participação de Bibi Caetano e do próprio produtor DKVPZ, é certeira no discurso antirracista. “Rodeado de polemicas em sua volta o Kanye é uma pessoa que não se rotula a nada e isso em sua essência é ser bluesman”, conta. Outra faixa que tem tudo para se tornar para um hit é Flamigos. Além de apresentar solos de guitarra de Tim Bernardes, a música conta com a importante colaboração de Tuyo, trio curitibano de R&B e folk futurista.

Em Girassóis de Van Gogh a conturbada relação amorosa tratada em Queima Minha Pele é retomada. Mas se engana quem pensa que isso deixa o álbum cansativo: as gravações conseguem se diferenciar bastante entre si, tanto na letra quanto nos arranjos. “Essa música é sobre a pintura de Van Gogh 12 girassóis em uma jarra e o que ela me transmitiu. A procura pela cor perfeita a obsessão de ter que retratar de forma rápida algo que pode “murchar” a qualquer momento me trouxe um sentimento de não estar sozinho. Eu imagino que cada girassol estava apontado pra ele enquanto ele pintava e o fato de na tela eles estarem em posições diferentes faz um mapa dos ângulos que foram pintados gosto de acreditar que o pintor se viu como o sol em cada traço da tela e sua obra o perseguiu assim como as flores fazem”, comenta o rapper.

No já mencionado curta BLUESMAN, é traçado uma relação entre o povo negro e a prata. Uma forma de simbolizar a desvalorização de um povo menosprezado e tratado como minoria social, mesmo sendo maioria quantitativa – algo que ele assemelha com a relação entre prata e ouro. Tudo isso é mostrado na canção Preto e Prata.

A última faixa do disco se chama B.B. King, referência ao maior nome do Blues no mundo, amarrando, ou libertando, todo o trabalho feito até aqui. É o resumo do que significa ser Bluesman aos olhos de Baco Exu. “Não sou legível / Não sou entendível / Sou meu próprio deus / Sou meu próprio santo / Meu próprio poeta / Me olhe como uma tela preta, de um único pintor / Só eu posso fazer minha arte / Só eu posso me descrever / Vocês não têm esse direito / Não sou obrigado a ser o que vocês esperam! / Somos muito mais! / Se você não se enquadra ao que esperam… / Você é um Bluesman”, diz a canção.

Vale ressaltar que depois de tudo isso, Baco Exu do Blues já está trabalhando em um próximo álbum. O projeto, focado em samba, será em parceria com Pretinho da Serrinha.


PLAYLIST



Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Filmes
Rafael Bonanno

Um herói digno de ser super

“Shazam!” é um divertido filme de super-herói de fórmula mais refrescante, cuja trama foca na ideia de estarmos sempre em um processo de aprendizagem. Você se transforma ao dizer “Shazam!”   O que é a dignidade humana? Pensar que há um único exemplo de ser humano ideal é tão antiquado quanto limitado. As grandes mitologias que criamos, no entanto, sempre buscaram expandir a concepção idealizada da dignidade humana por meio de virtudes e qualidades inerentes ao ser. Essa reflexão me tomou por completo logo no começo da projeção de Shazam!, quando presenciamos o encontro sobrenatural do jovem Thaddeus Sivana (Mark

Leia a matéria »
Back To Top