fbpx
"Os Incríveis 2" continua a história da amada animação da Pixar sem perder o fôlego e honrando o legado que deixou para todas as gerações.

“Os Incríveis 2” continua a história da amada animação da Pixar sem perder o fôlego e honrando o legado que deixou para todas as gerações.


Quando os créditos de Os Incríveis (2004) terminaram de rolar, a sensação de qualquer espectador que se divertiu com as aventuras da família Pêra era de que em curto espaço de tempo voltaríamos a encontrar aqueles personagens. A forma abrupta com que o longa de 2004 acaba, mostrando a família se organizando para confrontar O Escavador, deixou um gostinho de quero mais. Curiosamente, e até mesmo de uma forma irritante, a Pixar/Disney optou por dar sequências a diversas outras franquias, como Toy Story, Carros e Procurando Nemo, antes de revisitar a família de super poderosos. Passados 14 anos de espera, Os Incríveis 2 nos proporciona o tão esperado reencontro com a família Pêra, mas, mesmo que partindo do exato momento em que deixamos os heróis em 2004, atualizando os temas que permeiam a produção.

Desta forma, acompanhamos os heróis sendo obrigados a viver no anonimato e proibidos de exercer o seu lado “super” devido aos possíveis acidentes que ocorrem quando tentam salvar o mundo. Partindo de uma iniciativa privada motivada por um milionário, a Mulher-Elástica é escolhida como a heroína ideal para carregar uma câmera capaz de transmitir para as pessoas comuns a sensação de heroísmo e altruísmo que existe em seu trabalho, para tentar colocar os heróis novamente nos holofotes da sociedade. Com seu novo emprego, ocorre uma inversão dos papéis existentes no primeiro longa com o Sr.Incrível se vendo obrigado a ficar em casa para cuidar de Flecha, Violeta e Zezé, enquanto a Mulher-Elástica assume seu novo emprego e uma posição de glamour social.

Por se tratar de um filme com assinatura da Pixar, era de se esperar que por trás de toda fofura, humor e experiência escapista prazerosa existira um discurso ou temática mais sóbria sendo trabalhada. E nas mãos de Brad Bird, talvez um dos melhores diretores e roteiristas de animações da indústria – pense que ele é o responsável pelo primeiro Os Incríveis, Ratatouille (2007) e O Gigante de Ferro (1999) – esse trabalho de temas complexos se dá de forma divertida, contemporânea e fugindo de qualquer didatismo pedante. Existe uma clara representação de empoderamento feminino em toda jornada de Helena como heroína e protagonista, além de trabalhar também outras personagens femininas de maneira interessante, principalmente a dinâmica existente entre a Mulher-Elástica e Evelyn Deavor.

Ainda, Bird levanta questões relevantes a respeito da relação do ser humano com os aparelhos tecnológicos personificando os apontamentos a respeito da dependência de tablets, telefones e telas dos mais variados tamanhos na imagem do antagonista do longa, O Screenslaver, que apesar de ser um vilão previsível e fraco possui um visual interessante e acaba proporcionando sequências de ação muito bem dirigidas. Sobra tempo também para trabalhar com um roteiro divertidíssimo, engraçado e leve, que trabalha a dinâmica familiar dos Pêra de forma que as dificuldades, desencontros e cometimentos existentes em uma família venham a tona.

Na sequência, Beto é quem fica em casa cuidando das crianças, enquanto Helena sai para salvar o mundo

Bird entrega um apuro estético em toda a parte visual do longa. A maneira com que trabalha o uso da luz em diversas das cenas é impressionante, criando diferenças de iluminação que permitem mudanças na atmosfera e clima do longa, ao mesmo tempo que cria possibilidades de demonstrar ainda mais como o avanço tecnológico na produção de animações consegue criar cores e texturas tão vivas – méritos para Erik Smitt, responsável pela iluminação na cinematografia. A caracterização dos personagens ainda mantém os traços que tornam todos os personagens um pouco desajeitados e os prédios e ambientações em uma combinação de mundo futurista com cores e traços sessentistas, ao mesmo tempo que agregam uma verossimilhança admirável.

Em sua veia mais escapista o filme também se destaca nas sequências de ação extremamente bem dirigidas, seja em larga escala como no confronto contra o Escavador no primeiro ato, trazendo para a tela todo o escopo de grandiosidade existente no gênero de super-herói da atualidade, ou seja em uma pequena escala que demonstra a astúcia de brincar com as regras do gênero ao colocar Zezé para experimentar seus poderes em um confronto contra um guaxinim no quintal. O bebê, inclusive, é um dos destaques do filme, proporcionando as cenas mais engraçadas e o humor mais equilibrado que funciona pela fofura e se manifestando tanto visualmente como em expressões sonoras altamente relacionáveis.

A trilha de Michael Giacchino é certeira nos momentos que evoca a nostalgia eminente na película, ao passo que também contribui para o clima aventuresco das sequências de ação e para os momentos de apreensão nas cenas detetivescas, especialmente quando acompanhamos a Mulher-Elástica em suas novas missões. É realmente um trabalho irretocável em todos os aspectos técnicos do longa, elogio que também se estende ao divertido, tocante, emocionante e bonito curta de abertura, intitulado Bao e dirigido por Domee Shi, que também trabalha com a temática familiar.

Depois de 14 longos anos, Os Incríveis 2 chega as telas utilizando do que a Pixar tem de melhor para combinar nostalgia e contemporaneidade, animação e realidade, ação e humor, em um filme que entende que sua maior virtude reside na verdade existente nas relações de seus personagens e no maior ato heroico de todos: viver em família.


Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Música
Bruna Curi

A volta triunfante de Avril Lavigne

“Head Above Water” marca o retorno de Avril Lavigne após mais de cinco anos sem um disco novo, em uma era marcada pelo sentimento de “segunda chance”. Todo mundo já deve ter ouvido falar de Avril Lavigne, a famosa cantora canadense que aparenta não envelhecer e é constantemente associada a teorias da conspiração – a mais famosa é de que ela morreu e foi substituída. Depois de alguns anos afastada dos holofotes, no dia 15 de fevereiro a cantora lançou o seu sexto álbum de estúdio: Head Above Water. Início da Carreira Avril ficou conhecida em 2002, com o lançamento de

Leia a matéria »
Back To Top