fbpx
A nostalgia de "O Rei Leão" compensa qualquer falha do novo filme e compartilha com os novos fãs a emocionante história de Simba.

Disney lança o aguardado remake em live-action de O Rei Leão e leva novos e velhos fãs da animação ao cinema.


CChegou aos cinemas de todo o mundo o tão esperado remake do clássico O Rei Leão (1994), dos estúdios Disney. Com uma nova forma de animação hiper-realista em 3D e com um elenco de peso, que inclui a cantora Beyoncé e Donald Glover nos papéis principais, o filme chegou como um dos mais esperados lançamentos do estúdio deste ano. Por todo o mundo, diversas salas de cinemas foram enchendo as sessões com antigos fãs e também com públicos mais jovens, não acostumados a rebobinar a antiga fita verde para ver o longa. No entanto, o remake que tinha tudo para repetir o sucesso da década de 90 e acabou decepcionando quem foi com grandes expectativas.

 

O Rei Leão

Em todos os sentidos, o novo O Rei Leão se trata de um remake, seguindo exatamente os mesmos caminhos da animação original, apenas em uma versão mais tecnológica. E toda essa tecnologia não supera o fato de ser apenas uma história repetida, e em certo nível se torna até um estorvo para o longa. Aparentemente, o diretor Jon Favreau e sua equipe responsável pela animação esqueceram que se tratava de um musical, deixando os animais em diversas cenas sem mexer a boca ao cantarem canções extremamente expressivas.

Com um público majoritariamente de adultos agora, a Disney perdeu a oportunidade de apostar em cenas mais dramáticas mostrando toda a agressividade que existe no mundo dos leões, já que a grande aposta era mimetizar a natureza dos animais. As cenas onde Scar mostra todo o seu drama e sarcasmo ficaram mais obscuras mas sem força alguma, devido ainda a falta de expressividade dos personagens. Se a ideia era trazer a sutileza que os felinos apresentam na natureza, faltou uma pesquisa de campo, já que em algumas das cenas mais dramáticas é difícil identificar qualquer sentimento, mesmo no olhar.

O jovem Simba ao lado deu seu vilanesco tio, Scar

No quesito voz, a personagem Nala pode ter perdido um pouco da força para aqueles que assistiram a versão com a dublagem brasileira. Por mais que a cantora IZA tenha uma voz incrível e dê uma interpretação magnífica a canção Nesta Noite o Amor Chegou (Can You Feel the Love Tonight, na versão em inglês), sua voz não parece se encaixar muito na personagem, soando às vezes mais alta e fora de sincronia em relação ao resto do filme. A cantora já tinha dito que teve apenas acesso a suas próprias falas, sendo esse talvez o motivo de sua voz ter ficado tão destoante do restante dos outros personagens – já que esse problema não pareceu ser algo que acometeu aqueles que assistiram a versão onde Beyoncé dubla a personagem.

Deixando de lado estes erros, O Rei Leão é um prato cheio para a nostalgia. A oportunidade de rever uma história lançada há quase 25 anos no cinema é capaz de despertar emoções guardadas em nossos corações há muito tempo. As savanas africanas estão de tirar o fôlego e o filme sabe muito bem aproveitar todo o gasto que teve com a computação gráfica nesta ambientação. As paisagens são diversas vezes mostradas em planos abertos, nos deixando boquiabertos com sua perfeição e o realismo. Ainda, os animadores também abusaram muito das cenas em slow motion para mostrar cada pequeno detalhe de cada um dos animais.

Nala e Simba em suas versões adultas, dublados por Beyoncé e Donald Glover

O filme ainda nos traz a oportunidade de ouvir a clássica trilha sonora de Elton John sendo reinterpretada por artistas que gostamos tanto. É impossível não se arrepiar com o prólogo onde o pequeno Simba é apresentado a todo o reino ao som de Ciclo sem Fim / Circle of Life, assim como é extremamente difícil nos segurar para não cantarmos Hakuna Matata (pt / en) junto com Timão e Pumba – que são, de longe, os personagens que mais fazem jus a animação original.

 

O Presente

Além das canções clássicas, fomos também agraciados com o The Lion King: The Gift, lançado por Beyoncé e inspirado pela obra.

https://www.youtube.com/playlist?list=PLEvc2BQD0tkvCaSn5Vzer6VFKp_GFt4JD

O álbum conta com a participação de diversos artistas, incluindo Childish Gambino, o alter ego músico de Donald Glover, intérprete de Simba. Com interlúdios de diversos atores que dão voz aos personagens, como James Earl Jones – mesmo intérprete do Mufasa desde 1994 –, a obra conta com uma aura mística embalada pela voz da cantora.

Os grandes destaques ficam, principalmente, para a canção Spirit, que ganhou clipe, e para Brown Skin Girl, com a participação de Blue Ivy, filha primogênita da cantora. As outras canções que complementam o disco inspirado pelo filme (um total de 27, contando os Interludes) são uma expansão da obra cinematográfica e um presente para os fãs – assim como o nome sugere.

Mas, a final, vale a pena ir ao cinema ver O Rei Leão? Se você está tendo dúvidas, talvez seja melhor não ir e rever a animação clássica, enquanto espera o novo filme ser lançado em BluRay. Se você se animou com a possibilidade de poder reassistir a história que marcou a sua infância, a dica é que: sim, vale sim muito a pena! A nostalgia consegue compensar qualquer falha que o longa tenha, proporcionando a oportunidade de reviver muitas alegrias e compartilhar com os fãs mais novos a emocionante história do longa metragem.

No fim das contas, O Rei Leão segue arrecadando espectadores em um ciclo sem fim.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Filmes
Agnes Nobre

Believe in Love

Coldplay comemora os 20 anos da banca lançando um documentário sobre a banda, abordando os lados bons e ruins que embalaram a turnê “A Head Full of Dreams”.

Leia a matéria »
Back To Top