fbpx
Em "O Hotel às Margens do Rio", Hong Sang-soo faz um filme-poesia sobre os desencantos da vida e as possibilidades de se refazer.

Em O Hotel às Margens do Rio, Hong Sang-soo faz um filme-poesia sobre os desencantos da vida e as possibilidades de se refazer.


AAssistir a qualquer filme de Hong Sang-Soo é sempre uma experiência interessantíssima graças à sutileza com que o cineasta sul-coreano consegue poetizar cinematograficamente. Em O Hotel às Margens do Rio, Sang-Soo usa sua habilidade impar de capturar imagens igualmente reais e líricas para abordar as constantes transições e os desencantos que a vida nos acomete.

Neste sentido, a fotografia em preto e branco combina e agrega plenamente à escolha por um hotel como hospedeiro dos acontecimentos da narrativa. Edificação que acomoda pessoas em passagem e em constante transito, aqui, o hotel ganha uma conotação melancólica justamente pela fotografia que cria uma ambientação apática e fria – que também é ressaltada pelo branco intenso da neve que toma conta do cenário às margens do rio.

Nesta atmosfera de transição, vemos o encontro de duas pessoas que vivem, justamente, etapas diferentes de uma jornada. Ki Joo-bong vive um poeta em crise, já mais velho e certo de que está mais próximo da morte do que qualquer sopro de vida que possa aparecer. Kim Min-hee encarna uma mulher que tenta compreender o emocional abalado após uma traição amorosa. Assim, ambos se encontram em duas etapas da jornada que a vida é: ele caminha melancolicamente para o final deste caminho, enquanto ela tenta compreender um acometimento para, de alguma forma, se refazer.

Isolados e reflexivos, ambos recebem visitas que condizem com seus momentos. O poeta se reúne com seus dois filhos em um derradeiro encontro para trazer a dura verdade que tanto lhes afastou, enquanto a jovem chama por uma amiga que lhe trará o afeto e carinho para enfrentar o desapontamento.

A partir de uma captura que combina o real e a simbologia, o dom poético de Hong Sang-Soo se manifesta em O Hotel às Margens do Rio nos diálogos triviais, nas conversas de bares regadas à álcool, nas indagações de suas personagens e, principalmente, no uso de uma câmera que captura o a verdade de forma crua. O cineasta entende que a verdadeira poesia da vida, seja na melancolia das desavenças, nas dores da separação ou na inspiração irruptiva do acaso, está presente nas pequenas coisas.

É por isso que o poeta, já em crise existencial e ciente de sua degradação interior, decide conversar com seus filhos, confronta-los – e de certa forma, encarar suas escolhas e passados – logo após se deparar com as amigas em uma paisagem quase que onírica, de duas mulheres paradas na neve à beira do rio.

Sobretudo, O Hotel às Margens do Rio é mais um bonito e tocante filme de Hong Sang-soo. Um recorte verdadeiro, profundo, cru e poético dos percalços, possibilidades de se reinventar e, sobretudo, da grande jornada de questionamentos que a vida é.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Filmes
Agnes Nobre

Believe in Love

Coldplay comemora os 20 anos da banca lançando um documentário sobre a banda, abordando os lados bons e ruins que embalaram a turnê “A Head Full of Dreams”.

Leia a matéria »
Back To Top