fbpx
"Coringa" é um filme corajoso, sustentado pela atuação fantástica de Joaquin Phoenix, levando o espectador a refletir em meio ao desconforto.

“Coringa” é um filme corajoso, sustentado pela atuação fantástica de Joaquin Phoenix, levando o espectador a refletir em meio ao desconforto.


NNada mais esperado do que uma onda de polêmica para Coringa, filme que retrata a versão de Todd Phillips, diretor do longa, para a história de origem do clássico vilão do Batman. Dentre problematizações e elogios, Phillips entrega um filme incômodo e corajoso, que encontra na essência de seu personagem uma oportunidade para levar o espectador a refletir sobre o mundo contemporâneo por meio do desconforto.

https://www.youtube.com/watch?v=jfVTJm9NilA

A cena de abertura do longa, em que acompanhamos Arthur Fleck (Joaquin Phoenix) moldando um sorriso em seu rosto entristecido marcado pela lágrima de tinta azul que escorre pela bochecha, resume o que estamos prestes a assistir: a melancolia e sofrimento que levaram aquele homem a se tornar o Palhaço do Crime. Dessa premissa, desenvolvida pelo roteiro em um estudo de personagem, é que surgem a maioria das críticas e virtudes do filme.

Poster nacional

Apontado como irresponsável por supostamente justificar as atitudes horrendas do protagonista, o roteiro escrito por Phillips e Scott Silver assume uma posição interessante para a história, dialogando profundamente com o mundo contemporâneo. O texto de Coringa utiliza da condição psicológica do protagonista como uma ferramenta narrativa para apresentar uma variedade de realidades possíveis, desarmando o espectador e trazendo uma camada a mais para a trama. É uma forma de propor um questionamento quanto a era da pós-verdade e da enxurrada de fake news vivida no mundo atual, com as pessoas escolhendo suas próprias narrativas como certeiras, independentemente dos fatos que lhe são apresentados.

Por outro lado, a construção de um personagem que gera empatia por pena e por todo sofrimento que lhe é causado como um pária marginalizado pela sociedade, adicionam um quê de identificação com o público que torna a experiência ainda mais incômoda – algo que o espectador desavisado e pouco disposto a se questionar achará extremamente desconfortável. Ao contrário do que é dito quanto a essa suposta irresponsabilidade temática, o que Coringa faz enquanto obra cinematográfica é abraçar a oportunidade de incomodar o espectador e levantar questões relevantes, sem demarcar um posicionamento claro e direto.

Joaquin Phoenix é o maior trunfo de Coringa, com uma atuação de tirar o fôlego

Ao acompanhar as discussões e efeitos produzidos após as sessões, fica a sensação de que o epicentro de toda a polêmica levantada não reside no que é oferecido na tela de cinema, mas no que é sentido pelo espectador que percebe ali, em meio ao caos de uma Gotham City fictícia, uma apavorante semelhança com a convulsão e histeria social existentes no contexto real de 2019.

Dentro de tantas questões e interpretações, se aflora a interpretação de Joaquin Phoenix. Para além da perda de peso, o trabalho corporal do ator é preponderante para a construção de um personagem frágil e indefeso que, no início da projeção, conta com um corpo retraído e curvado, em uma demonstração física de que o mundo o está fazendo encolher em si mesmo. Com o desenrolar da trama e o consequente desenvolvimento de Arthur, que vai aos poucos se encontrando (ou porque não se perdendo), Phoenix adota uma postura ereta, ficando cada vez mais à vontade no papel e em seu próprio corpo.

A entrega do ator extrapola o comprometimento corporal, passando também pelas risadas que fogem do mero clichê de um riso macabro e incomodo, mas também tocam no desconforto e na evidente dor com que a gargalhada traz ao personagem, devido a sua condição. Se o ator evidencia na primeira cena de Coringa a melancolia no rosto de Arthur Fleck, na sequência que inicia o clímax do filme vemos Phoenix sumir no personagem e abraçar a identidade do Coringa como uma força motora do caos, destinada a passar uma mensagem e a deixar sua marca em Gotham City.

A cidade símbolo do Homem-Morcego é, também, um importante e bem trabalhado elemento do filme. A cinematografia de Lawrence Sherr usa de tons sombrios para criar uma atmosfera mórbida e soturna para uma Gotham suja e fria, que agregam ainda mais em toda a melancolia de Coringa. Junto disso, tem-se a pesada trilha sonora de Hildur Guõnadóttir, que termina por amarrar a sensação de desamparo e solidão do protagonista ao longo de toda projeção. No que diz respeito a trama, a presença de Thomas Wayne (Brett Cullen) existe como uma lembrança de presença do Batman naquele universo, além de ser uma força motriz emocional para terminar a deturpação psicológica do protagonista.

Obviamente comparado a Taxi Driver (1976), pela evidente inspiração estilística, e a Laranja Mecânica (1971) e Clube da Luta (1999), pelas polêmicas temáticas, o filme de Todd Phillips é, sobretudo, um ponto fora da curva dentro do cinema estadunidense dos anos 2000. Em meio a uma época em que filmes abusam da exposição e didatismos para engajar o espectador (algo que o próprio filme cede, mesmo que levemente, ao explicar a dinâmica que envolve a vizinha vivida por Zazie Beetz), Coringa se assume como uma obra provocadora justamente por não abraçar um final hermético ou uma única posição discursiva.

Arthur é vítima e agente de sua jornada, tão culpado quanto peça de um sistema maior que o engole para, mais a frente, permitir que ele assuma uma posição de poder suficiente para provocar uma grande catálise social. É justamente dessa dualidade que Coringa cresce como um filme símbolo de seu tempo, provocando no espectador uma reflexão incomoda ao passo que dá vida a história de um dos vilões mais importantes da cultura pop.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Televisão
Ana Luisa Santos

Reflexões necessárias ao som de bossa nova

“Coisa Mais Linda” eleva a qualidade das produções brasileiras, em uma série bem intencionada e produzida sobre o Rio de Janeiro da bossa nova. No último dia 22, a Netflix Brasil estreou sua mais nova produção original. Coisa Mais Linda, já bastante aguardada pelos brasileiros, chegou cumprindo o que prometia e deu o que falar entre o público. Produzida por Beto Gauss e Francesco Civita, os sete episódios foram assunto na internet, colocando a produção nos tópicos mais comentados do Twitter naquele fim de semana. Coisa Mais Linda narra a trajetória de Maria Luiza (Maria Casadevall), uma jovem paulista que

Leia a matéria »
Back To Top