fbpx
"Cano Serrado" empresta elementos do Western e dos filmes de ação da década de 80 para construir uma obra genérica e vazia.

“Cano Serrado” empresta elementos do Western e dos filmes de ação da década de 80 para construir uma obra genérica e vazia.


Em tempos em que o Cinema nacional dá sinais de uma consolidação de filmes de gênero, um filme como Cano Serrado soa como um desperdício de um interessante potencial para uma obra impacto. É curioso que na tentativa de construir um Neo-Western situado no Centro-Oeste brasileiro, imaginado aqui como uma terra corrupta de anti-heróis, o diretor Erik de Castro entrega uma narrativa que se aproxima mais dos filmes de ação dos anos 80. Nessa aproximação, o que mais soa gritante na diferença entre as boas películas do passado e a produção brasileira é que De Castro não consegue dar profundidade ou agregar alguma complexidade na forma como encena um roteiro fraco.

https://www.youtube.com/watch?v=h8xIFD3vn6I

A trama conta com dois núcleos narrativos que se cruzam: a história de vingança do Sargento Sebastião (Rubens Caribé), um militar de uma pequena cidade interiorana próxima à Brasília que confunde dois policiais da capital, responsáveis por escoltar um coletivo de uma Igreja, com os suspeitos de terem assassinado seu irmão. Desta premissa, o diretor tenta construir um jogo de tensão pautado na incerteza da inocência do policial Luca (Jonathan Haagensen) que é constantemente questionada pela abordagem violenta e desumana das torturas com que o Sargento tenta arrancar a verdade, ou em certa instância, transforma-lo no culpado pela morte de seu irmão.

Na medida que a trama avança, Cano Serrado levanta diversos potenciais dramáticos e possibilidades temáticas que são muito mal exploradas pelo diretor. Assim, perde-se a interessante dinâmica de tensão que é sugerida entre as forças policiais da capital e do interior; desperdiça-se a possibilidade de evocar uma conexão entre o martírio de Luca com uma temática cristã que é gratuitamente jogada na narrativa; ao passo que também se esvazia toda construção das paisagens do cerrado do Centro-Oeste brasileiro como uma terra árida, inóspita, violenta e perigosa.

E nesse sentido, o distanciamento do Western é consumado pela falta de arrojo que De Castro demonstra em trabalhar suas panorâmicas aéreas das planícies brasileiras, mimetizando o trabalho de Denis Villeneuve em Sicario, mas sem o sucesso do canadense; além de permitir que uma trilha sonora totalmente desconexa quebre a, mesmo que fraca, imersão na atmosfera tensa que é proposta.

Se inicialmente a ambientação proposta estabelece que o terreno árido que a dupla de policiais vai adentrando exala uma atmosfera de perigo e violência, na medida em que a trama avança e o envolvimento do núcleo de oficiais de Brasília passa a ter mais tempo de tela, torna-se clara a pretensão de construir uma dinâmica onde não existem personagens virtuosos.

O principal problema é que, nessa empreitada, De Castro não torna seus personagens complexos ou dúbios, apenas vazios. Os breves encontros entre o Sargento Sebastião e sua filha não agregam em nada a narrativa e evidenciam a necessidade que o diretor tem de verbalizar a moral, os sentimentos e visão de mundo de seus personagens, ao passo que não consegue transpor essas nuances na encenação das situações. O mesmo vale para a esposa do policial Luca, que extremamente deslocada da narrativa, fica à deriva em uma representação tosca da única personagem não pecaminosa.

Por um lado, Cano Serrado empresta a ambientação dos Westerns e a dinâmica de ação dos filmes oitentistas, mas até neste sentido falta arrojo para trabalhar a moralidade dos personagens e, em um viés maior, as questões que o cineasta buscava levantar. Desta forma, a violência ostensiva que a equipe de Sebastião tortura o policial Luca soa gratuita e fora de lugar, da mesma forma que a tensão sugerida entre capital e interior não é potencializada há nenhum nível de interesse político ou de debate regional, especialmente se considerarmos que a locação próxima a Brasília dá possibilidades para uma trama que envolva a corrupção – tanto no sentido pessoal, quanto institucional – de forma mais interessante.

O resultado é que Cano Serrado se perde na falta de traquejo com que seu diretor não consegue articular uma série de elementos emprestados dos filmes de gêneros, em uma obra que alcançasse o potencial dramático, temático e, porque não, industrial que o cinema de gênero tem passado a ocupar no mercado audiovisual brasileiro.

 

* O filme foi assistido dentro da programação online do 7º Festival Internacional de Cinema de Brasilía (BIFF)

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Televisão
Gabi Carvalho

Brincando de ser adulto

“Round 6”, novo drama sul-coreano da Netflix, traz reflexões sobre a forma como vivemos a vida ao mesmo tempo em que propõe um cenário distópico cheio de desafios mortais.

Leia a matéria »
Back To Top