fbpx
"Atlantique" propõe um retrato das tensões sociais senegalesas por meio de uma intimista história de amor e de uma trama sobrenatural.

“Atlantique” propõe um retrato das tensões sociais senegalesas por meio de uma intimista história de amor e de uma trama sobrenatural.


ÉÉ normal que dentro do enorme catálogo da Netflix, algumas produções excelentes caiam no ostracismo para a maioria dos espectadores. Felizmente Atlantique é um dos casos que, devido ao sucesso e elogios mundo afora, atrai os merecidos olhares para uma obra intima, autoral e bonita. O que de fato sustenta os comentários virtuosos do filme é o olhar íntimo e autoral com que a diretora combina uma história de amor à um drama social pautado na libertação – seja ela da opressão social ou da dor de um amor perdido.

Alçado aos holofotes como o filme que levou a primeira diretora negra a competir pela Palma de Ouro no Festival de Cannes, Atlantique marca a promissora estreia de Mati Diop na direção de um longa-metragem após comandar alguns curtas e atuar em 35 Doses de Rum, de Claire Denis. Se os bons comentários em Cannes não bastassem, a película ainda tem chance à uma vaga na categoria de Melhor Filme Estrangeiro do Oscar, colocando o nome de Diop de vez no mapa.

Situado na capital Senegalesa, Atlantique acompanha dois jovens apaixonados. Ele, Souleiman (Ibrahima Traore), é um pedreiro que sofre com a indiferença dos patrões endinheirados que não pagam seu salário há três meses, enquanto o recém terminado edifício Muejiza irrompe aos seus da ensolarada e desértica Dakar. Ela, Ada (Mama Sane), é uma moça obrigada por pressões familiares e sociais a casar com um destes empresários ricos como uma suposta oportunidade de ascensão social. Quando Souleiman parte sem dizer adeus para tentar a travessia de barco para a Espanha, em uma busca de uma vida melhor, Ada se vê presa em um relacionamento que falta presença e verdade, relegada a sofrer com a incerteza da morte de seu verdadeiro amor e a angustia da perda eminente.

A atriz Mame Bineta Sane

O drama que se desenvolve a partir dessa construção ganha traços sobrenaturais e flerta com filmes de fantasmas e de investigações policiais, algo que pode soar um pouco desconexo do tom intimista do primeiro ato. Assim, Mati Diop equilibra as tensões sociais de uma Dakar quente e de clima árido, muito bem captada pela cinematografia de Claire Mathon, a sequências que dão o tom surrealista e sobrenatural na baixa iluminação azulada das noites. Também, os momentos íntimos entre Ada e Souleiman, sempre construídos pelo uso de planos fechados que destacam os momentos de ternura entre os dois, constroem uma imediata conexão que se sustenta por todo o filme.

Em certo momento, Atlantique se aproxima de Bacurau no que diz respeito a consciência narrativa de equilibrar o surrealismo – e no caso da película senegalesa o flerte com o sobrenatural – com a proposta discursiva social e política. A diretora não se esquece, em momento algum de falar sobre a desigualdade social presente no Senegal e sobre a opressão às mulheres na sociedade, criando ainda mais força para o tema da libertação que se desenvolve.

Na verdade, a opção pela abordagem que flerta com os filmes de fantasma, reforça ainda mais os discursos contra um sistema opressor, mostrando como a representação destes retornos vingativos é o resultado de uma tensão social crescente.

Ao final, Atlantique se destaca por combinar com precisão elementos tão diferentes de um conto de amor, uma história de fantasmas e de um drama político intimamente construído pela sensibilidade de uma diretora muito promissora.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Precisamos Falar De
Jader Theophilo

Precisamos Falar De / “Samm Henshaw”

Quantos artistas brilhantes podem estar por ai e nunca tiveram a oportunidade de desenvolver seu trabalho em um ambiente propício? Quantas Beyoncés, Stevie Wonders e Madonnas nunca alcançarão o estrelato?  Tenho me perguntado isso com bastante frequência nos últimos meses. Talvez por isso, eu esteja em uma busca louca por artistas que, ainda, não fazem parte do mainstream. Meu Spotify virou uma caçada para além dos algoritimos, transcendendo para buscas de produtores musicais no Instagram, vídeos caseiros no YouTube e gravadoras independentes. Preciso dizer que as descobertas tem sido animadoras ou até mais que isso. Viciantes, eu diria! Sendo assim,

Leia a matéria »
Back To Top