fbpx
Para quem deseja fugir das tramas norte-americanas, o catálogo da Netflix conta com algumas produções francesas, especialmente do gênero suspense.

Para quem deseja fugir das tão conhecidas tramas norte-americanas, o catálogo da Netflix conta com algumas produções francesas, especialmente do gênero suspense. Confira algumas delas.


O Bosque (2017)

Seguindo o estilo de Dark (2017) e Stranger Things (2016), a série francesa O Bosque chegou ao catálogo da Netflix em julho. A premissa é conhecida de quem acompanha séries de suspense: uma garota desaparece em uma cidade pequena e seu sumiço desencadeia uma série de acontecimentos misteriosos. A investigação é conduzida pelos policiais Gaspard Decker (Samuel Labarthe) e Virgine Musso (Suzanne Clément), que contam também com a ajuda da intrigante professora Ève Mendel (Alexia Barlier).

https://www.youtube.com/watch?v=qOJaWabVfjs

Criada por Delinda Jacobs e dirigida por Julius Berg, a primeira temporada apresenta seis episódios, todos bem amarrados. Destaque para a fotografia,  que utiliza de cores mais opacas e contribui para a atmosfera melancólica da narrativa. As atuações dos atores principais também não deixam a desejar. 


A Louva a Deus (La Mante, 2017)

A polícia parisiense recebe a inusitada ajuda de uma serial killer para solucionar uma série de crimes. Jeanne Deber (Carole Bouquet), uma espécie de “justiceira”, conhecida por ter matado (de forma bem violenta) homens abusadores, está presa há mais de 25 anos. Quando crimes parecidos com os que ela cometia começam a assolar a cidade de Paris, Jeanne é acionada para a resolução desses casos.

https://www.youtube.com/watch?v=wnohwMEI_RM&t=7s

A criminosa faz apenas uma exigência: trabalhar em conjunto com seu filho, Damien (Fred Testot) – que é policial. A série se destaca por realmente surpreender o espectador, apesar da premissa não ser exatamente original. No entanto, fica o alerta: as cenas são fortes, violentas e não poupam o olhar de quem está assistindo.


La Trêve (2016)

Com uma premissa parecida com a de O Bosque, um assassinato em uma cidade do interior da França é responsável pelo desenrolar da trama. Cada episódio termina com um toque de suspense, o que faz com que o espectador anseie pelo próximo capítulo.

https://www.youtube.com/watch?v=P37O9aNjcP0

O elenco é definitivamente um ponto forte da produção – principalmente os atores principais Yoann Black e Guillaume Kerbus. A atmosfera, sombria e fria, é também muito bem construída. Os dez episódios são ótimos para serem maratonados.


Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Mostra de Cinema de Tiradentes
João Dicker

“Vitória” / 24ª Mostra de Cinema de Tiradentes

Em certa medida Vitória (2020), curta de Ricardo Alves Jr, tem uma similaridade interessante com Arábia (2018). Ambos os filmes fazem retratos secos e de denúncia sobre as condições trabalhistas e o impacto do labor na população brasileira. Porém, enquanto o longa de Affonso Uchoa e João Dumans recorre a uma narrativa onírica que apresenta a tomada de consciência do protagonista, o curta de Alves Jr. foca em uma personagem que já está decidida pela ação. O efeito dessa escolha é que Vitória tem em seus enxutos 12 minutos de duração um trabalho preciso de construção de um filme-denúncia pela
Leia a matéria »
Filmes
Carolina Cassese

Os 15 anos de Meninas Malvadas

Nota do Editor: este é um texto colaborativo entre Bruna Curi e Carolina Cassese. Qual é o diferencial de Meninas Malvadas e por que o filme continua sendo tão popular? O longa, que completou 15 anos em abril, se tornou um verdadeiro clássico do ambiente high school, conseguindo a proeza de, mesmo depois de tantos anos, continuar agradar públicos diversos. Baseado no livro Queen Bees and Wannabes, de Rosalind Wiseman, e nas experiências escolares da roteirista Tina Fey, o filme gira em torno da vida de Cady Heron (Lindsay Lohan), uma adolescente que passou boa parte de sua vida morando

Leia a matéria »
Back To Top