fbpx

Operação Red Sparrow surpreende por trocar a ação frenética por um desenvolvimento em ritmo de ballet, para a trama de espionagem.

A russa Dominika Egorova (Jennifer Lawrence) é a primeira bailarina do Ballet Bolshoi. Quando sua carreira é tragicamente interrompida, ela se vê sem saída a não ser aceitar o treinamento do governo para se tornar uma Sparrow, uma espiã moldada para seduzir e descobrir segredos dos inimigos da Rússia. Essa é a trama de Operação Red Sparrow, produção dirigida por Francis Lawrenceque já havia trabalhado com a atriz anteriormente na trilogia Jogos Vorazes, foge do estereótipo dos filmes de espionagem.

Praticamente sem sequências de ação e lutas, o filme se assemelha mais a uma apresentação de dança, onde somos envolvidos aos poucos pela trama que nos guia até o ato final. Cabe ao expectador embarcar na jornada para dizer se isso torna o longa eletrizante ou arrastado.

A ausência da ação propriamente dita é explorada pelo diretor de forma inteligente, dando lugar a cenas eróticas que combinam perfeitamente com o conceito criado para as Sparrows, uma vez que elas não fazem o papel de guerreiras e sim de viúvas negras. Inclusive, a comparação gerada pelo trailer com a história da super-heroína da Marvel não pode ser muito aprofundada com o filme, embora ambas sejam agentes russas treinadas para serem armas, suas jornadas tomam caminhos bem diferentes.

O estilo da atuação de Jennifer Lawrence combina perfeitamente com a protagonista do filme, que é contida e raramente deixa transparecer emoções, permitindo que a atriz dose perfeitamente os raros momentos em que sua personagem se permite demonstrar algum espasmo de sensação, transmitindo a sensação de incerteza ao espectador quanto a veracidade deste sentimento. Ela ajuda a construir o mistério a respeito da genuinidade do sentimento ou se ele é somente mais uma artimanha da agente. Apesar disso, o roteiro não constrói uma personagem com nuances suficiente, fazendo com que Lawrence tenha que trabalhar com pouco, impedindo a talentosa atriz de brilhar como em trabalhos anteriores.

Já causando controversas na crítica, Operação Red Sparrow é um filme que promete dividir as opiniões de quem o assistir. Mas, que de qualquer forma, vale a pena conferir.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Crítica
Giulio Bonanno

Crítica / “Midsommar: O Mal Não Espera a Noite”

Poucas experiências cinematográficas me levaram a tantos sentimentos paradoxais como Midsommar (no Brasil, ganhou o subtítulo “O Mal não Espera a Noite”, rs). Em pouco mais de duas horas de projeção, fui pego por episódios de angústia, repulsa e desespero. No meio disso, senti conforto. Senti resolução. Não sei bem quais são as intenções de Ari Aster, diretor do longa. Há uma confiança depositada na simbologia, um apelo à mitologias pagãs, mas… que discussão de fato ele quer trazer? Enquanto Dani Ardor (Florence Pugh) digere a notícia de uma perda familiar, descobre que Christian (Jack Reynor), seu namorado, planejava em

Leia a matéria »
Back To Top