skip to Main Content
Crítica: “A Maldição Da Casa Winchester”

Crítica: “A Maldição da Casa Winchester”

Inspirado em fatos reais, o filme A Maldição da Casa Winchester retrata a história da viúva Sarah Winchester (Helen Mirren), que é acionista majoritária de uma empresa de armas de fogo, e que acredita que os membros de sua família são perseguidos por uma maldição. A mulher está convicta de que ela e seus parentes são assombrados por espíritos de pessoas que foram mortas pelas armas da família Winchester. Quando começam a duvidar da lucidez de Sarah e de sua capacidade de gerir uma grande empresa, o psiquiatra Eric Price (Jason Clarke) é enviado para examiná-la.

Enquanto Sarah acredita fortemente na existência dos espíritos, sendo capaz de construir uma casa para ajudar as pobres almas a fazer a transição para o outro lado, Eric é totalmente o oposto. Ele é um homem cético, que acredita apenas no que pode ver, no que pode ser estudado e comprovado e sendo assim, para ele a história de espíritos não passa de alucinação da viúva. Durante boa parte da película ocorre a dualidade entre essas duas crenças.

O cenário da casa Winchester apresenta uma grande importância para o filme, afinal de contas, a enorme mansão que vive se expandindo e que sempre está em constante construção, representa a personalidade peculiar de sua proprietária. Assim como Sarah Winchester, a casa esconde segredos e mistérios em cada cômodo.

A atriz Helen Mirren, conhecida por ter ganhado um Oscar ao interpretar a rainha Elizabeth no filme The Queen (2006), teve uma atuação bastante consistente, entregando uma personagem de personalidade forte, que luta pelo que acredita e para defender sua família. O ator Jason Clarke também se destacou no papel do psiquiatra Eric Price, um personagem que pode ser considerado como uma verdadeira fraude em determinados momentos e que sofre com diversos tormentos devido à morte de sua esposa.

Mesmo tendo sido inspirado em uma história real, o longa apresenta alguns típicos clichês dos filmes de terror como, por exemplo, espíritos possuindo pessoas ou tentando se vingar de alguém. A Maldição da Casa Winchester pode falhar no quesito de ser assustador, apresentando na maioria das vezes momentos de tensão e muito suspense. Além disso, o filme levanta uma discussão interessante a respeito do grande poder que a mente humana, podendo ou não ser um verdadeiro gatilho para nossos piores medos.

bruna curi

tem 20 anos, é estudante de Jornalismo, mineira, capricorniana e blogueira nas horas vagas. apaixonada por Livros, Filmes e Séries. gosta de escrever, é uma de suas maiores paixões.

This Post Has One Comment
  1. Obrigado pela crítica eu gostei a história, é assustadora. Os filmes de terror evolucionaram com melhores efeitos visuais e tratam de se superar a eles mesmos. Eu gosto da atmosfera de suspense que geram no filme, vale a pena assistir a It a coisa acho que conseguem muito bem. Eu acho que o remake do filme superou em muito o primeiro, agora eu espero pelo Capítulo II. O elenco é parte fundamental para que o filme de um medo terrível, se comprometeram com suas personagens.

Comente com a gente!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Back To Top
%d blogueiros gostam disto: