fbpx

Na Netflix / “Dumplin’: A importância de cultivar o amor próprio”

Baseado no livro homônimo de Julie Murphy, o filme Dumplin’ (2018) chegou na plataforma de streaming da Netflix Brasil no início de fevereiro. O longa conta a história de Willowdean Dickson (Danielle Macdonald), uma adolescente gordinha e filha de Rosie Dickson (Jennifer Aniston), uma ex-miss famosa na comunidade em que vivem. Durante boa parte de sua vida, Willowdean foi criada por sua tia amorosa, Lucy (Hilliary Begley), que a ensinou algumas coisas importantes como soletrar seu próprio nome, respeitar os mais velhos e escutar as músicas incríveis da Dolly Parton. Tia Lucy só não ensinou algo essencial: como Willow deveria viver em um mundo sem ela. Desse modo, a adolescente sente muitas saudades de sua tia que morreu há seis meses.

https://www.youtube.com/watch?v=IAF5VUcivng

A convivência entre Willowdean e sua mãe nunca foi das melhores, uma vez que Rosie dedica boa parte de seu tempo para trabalhar em concursos de misses. Além disso, ela leva muito a sério questões relacionadas à beleza e defende o padrão imposto pela sociedade. Tudo isso contribui para dificultar a convivência entre mãe e filha.

O ponto de virada de Dumplin’ é quando a protagonista decide se inscrever em um concurso de Miss, para realizar um sonho antigo de sua saudosa tia. O concurso é importante para a garota tentar superar suas inseguranças e, ainda, protestar contra a beleza padronizada imposta nesses concursos pela sociedade. O ato de Willow acaba inspirando outras garotas a se inscreverem também, embora tenha sido uma consequência sem intenção – “Não, eu não sou a Joana D’arc das gordas”.

Participar de um concurso de beleza pode ser bem complicado, e para isso Willowdean recebe o apoio de sua melhor amiga, Ellen (Odeya Rush), de Hannah (Bex Taylor-Klaus) e de Millie (Maddie Baillio). É no meio desse momento que ela acaba descobrindo um outro segredo de sua tia: a existência de um bar onde várias drag queens se apresentam fazendo lip sync das músicas de Dolly, como uma homenagem à Rainha do Country, e que ela frequentava ativamente. Lá, Rhea Regend (Harold Perrineau Jr.), uma das artistas do bar, se torna uma das responsáveis em ajudar Willowdean em sua trajetória.

Danielle Macdonald se destaca no filme graças a sua capacidade em criar uma personagem que gera empatia, seja pela sua personalidade ou trajetória. Jennifer Aniston também chama atenção como Rosie Dickson, rendendo alguns momentos engraçados e levemente dramáticos. Além disso, a direção acerta em não reduzir o papel da mãe, não a tratando apenas como uma típica sulista e viciada em concursos de beleza. E, claro, as músicas de Dolly Parton apenas enriquecem ainda mais o filme, sendo um outro grande acerto.

Dirigido por Anne Fletcher, Dumplin’ é um filme que discute questões sobre o amor próprio, aceitação e ainda questiona alguns valores estéticos impostos pela sociedade. É uma trama de certa forma previsível em alguns momentos, mas não deixa de ser uma história cativante e emocionante.


ASSISTA DUMPLIN’ NA NETFLIX »

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Filmes
Bruna Curi

“Colette”: o nascimento de uma escritora

Estrelado por Keira Knightley, “Colette” conta a história de uma famosa escritora do século XX, enquanto aborda temas como empoderamento feminino. Com uma carreira de 23 anos e papéis importantes, a atriz Keira Knightley é conhecida por atuar, principalmente, em filmes de época, como Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra (2003), Orgulho e Preconceito (2005), A Duquesa (2008) e Anna Karenina (2012). Por mais que alguns papeis sejam parecidos, cada personagem sempre tem uma singularidade que se destaca e a atriz sempre se entrega aos papéis com grande maestria. Agora, em dezembro, o seu mais novo filme, Colette, estreou nos cinemas

Leia a matéria »
Back To Top