fbpx
Vencedor do Oscar de Melhor Curta Documentário, "Absorvendo o Tabu" ecoa a luta de inúmeras mulheres contra a opressão vivida na Índia.

Coletores menstruais, absorventes de panos e calcinhas preparadas para o ciclo são opções sustentáveis para quem quer substituir o uso dos clássicos absorventes descartáveis. Além do acesso ao item de higiene, atualmente em algumas realidades, é possível escolher qual dos modelos usar. Infelizmente, como mostra o documentário Absorvendo o Tabu, esse não é o caso da Índia.

Segundo o documentário, apenas 10% das mulheres na Índia têm acesso aos absorventes. 90% da população feminina do país indiano equivale a quase 600 milhões de pessoas — o que corresponde a três vezes a população total do Brasil. Absorvendo o Tabu mostra a realidade de mulheres que, por conta da opressão e da falta de acesso à informação, quase não conseguem pronunciar a palavra menstruação.

Inclusive, quando questionada sobre o porquê do período acontecer, uma entrevistada responde que “Só Deus sabe por que a menstruação acontece. É o sangue ruim saindo da gente”. Já outra diz que  “A única coisa que sei é que é por conta da menstruação que os bebês nascem”.

Absorvendo o Tabu acompanha o processo de implementação de uma máquina que produz absorventes biodegradáveis de baixo custo. A intenção é que as mulheres consigam alcançar independência financeira e condições melhores de higiene e, consequentemente, de saúde. É louvável a transformação que esse equipamento consegue fazer no vilarejo de Uttar Pradesh. Além de capacitar as mulheres a fazerem seus próprios absorventes, elas recebem a oportunidade de vendê-los a outras.

Dentre os vários relatos apresentados, um em específico capturou minha atenção. Uma entrevistada diz que estudou até o Ensino Médio e que menstruou pela primeira vez nessa época. Como ela não tinha acesso aos absorventes, precisava trocar de roupa várias vezes ao dia e os homens ficavam olhando ela se trocar. Ela abandonou os estudos por esse motivo.

Vencedor do Oscar de 2019, o curta está disponível na Netflix. Ao receber a premiação na categoria de Melhor Documentário de Curta-Metragem, Rayka Zehtabchi se emocionou: “Eu não estou chorando por que estou menstruada ou algo do tipo, eu não consigo acreditar que um filme sobre menstruação acabou de ganhar um Oscar!”. Essa fala teve a intenção de ressignificar o olhar machista que relaciona a sensibilidade ao período – no sentido de fraqueza.

O reconhecimento recebido foi importante, mas a missão de Zehtabchi continua. The Pad Project, tem o objetivo de espalhar pelo mundo o máximo de conhecimento possível sobre o assunto. A esperança é avançar em direção a um mundo em que as meninas se sintam empoderadas em seus corpos, alcancem independência econômica, entendam suas opções de saúde reprodutiva e sexual e aproveitem o poder de moldar suas vidas. Um mundo que com filmes como Absorvendo o Tabu, fica um pouco menos distante.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Televisão
Clarice Pinheiro Cunha

Hilda para todas as idades

“Hilda” estreia na Netflix sendo uma série animada muito bem direcionada, trazendo ensinamentos que funcionam para as crianças, mas foca nos adultos. A menina simpática de cabelo azul pode fazer você pensar que Hilda, nova animação da Netflix, é um desenho infantil. Mas, a adaptação do quadrinho criado por Luke Pearson levanta temas de importância universal e atemporais, trabalhando-os a partir da perspectiva de uma criança. Criada e roteirizada por Kurt Mueller, Stephanie Simpson e pelo próprio Pearson, a série acompanha Hilda (Bella Ramsey), uma garotinha simpática e curiosa em sua jornada com a mãe, Johanna (Daisy Haggard), e a corça-raposa,

Leia a matéria »
Back To Top