fbpx
Após 60 anos de seu lançamento, "A Aventura", de Michelangelo Antonioni, se mantem impactante, meláncolico e deliciosamente atemporal.

Já que o Cinema contemporâneo tem revelado um interesse forte e constante por filmes que abordam o mal-estar social em diversas temáticas, formas e gêneros possíveis, nada mais justo que homenagear um dos mestres no trato desta temática. Em 12 de maio de 1960, estreava A Aventura, uma das obras primas de Michelangelo Antonioni que, mesmo após 60 anos, se mantém como uma obra cinematográfica atemporal e arrebatadora, imperativa a qualquer apreciador da sétima arte.

Conhecido como o primeiro filme da “trilogia da incomunicabilidade”, A Aventura é também um certo marco de um período em que o Neorrealismo Italiano ia, aos poucos, deixando seu auge. Importante movimento cinematográfico da década de 50, o Neorrealismo surge no pós-guerra com a proposta de subverter o cinema praticado na Itália até então. Fugindo da ficcionalização, a nova geração de cineastas estava preocupada com expurgar na tela a dura e triste realidade de um país assolado pela destruição, mergulhado no caos e na crise econômica.

Por mais que Antonioni seja relacionado ao movimento capitaneado por Luchino Visconti, Roberto Rosselini e Vittorio de Sica, (e de fato, O Grito é um filme que dialoga com as propostas formais do Neorrealismo), A Aventura marca sua filmografia com características essenciais de sua visão de Cinema e de mundo. Aqui, o grande impacto reside na maneira brilhante com que o diretor trabalha a temática da incomunicabilidade por meio da verborragia e dos excessos como sinais de superficialidade da burguesia italiana, ao passo que situa seus personagens em uma constante posição melancólica de incompreensão do mundo que os cerca.

É assim, em uma mistura de pessoalidade e representação social, que Antonioni arrebatava a sociedade italiana da época tão acostumada a acompanhar a pobreza e desolação por uma estética documental, mas que com A Aventura se via confrontada por uma abordagem da vida burguesa cheia de afetações, que servem apenas para esconder e reafirmar o desconforto social.

A narrativa acompanha três casais que partem em uma viagem de navio até uma ilha inabitada na costa italiana, mas que é interrompida com o abrupto e inexplicável desaparecimento de Anna (Lea Massari). Assim, a trama foca em Sandro (Gabriele Ferzetti) e Claudia (Monica Vitti), marido e melhor amiga da desaparecida, que passam o restante da projeção a procura de Anna e, neste processo, desenvolvem uma relação amorosa um tanto quanto desconfortável e desajustada.

Em uma primeira incursão, A Aventura parece caminhar para um suspense de busca por Anna, mas o interesse de Michelangelo Antonioni não reside em uma trama investigativa e sim na tensão que a incompreensão entre Claudia e Sandro cria para os laços afetivos entre eles. Nesse sentido, há um trabalho de roteiro primoroso que equilibra diálogos por vezes desconexos e que escancaram a verborragia daquelas relações, que tanto falam e soam vazias sem propriamente conseguirem se comunicar. Por outro lado, há também uma proposta de constantes silêncios nessas conversas, que escancaram ainda mais essa distância entre as personagens e potencializa a relação afetiva estranhamente surgida para algo ainda mais artificial.

O preciosismo com que Antonioni trabalha os espaços, sejam os cenários urbanos ou as ambientações naturais, situam a atmosfera de pequenez dos casais em um vasto oceano, paisagens grandiosas e construções edificantes que são filmadas por panorâmicas amplas. É uma espacialização dessa temática de incomunicabilidade, dos desencontros e distâncias tanto no sentido físico quanto emocional, geográfico e narrativo. A não solução do desaparecimento de Anna, por exemplo, é sobretudo um marco desse efeito do distanciamento porque cria em Claudia a melancolia e o sofrimento de amar Sandro não pelo respeito à memória da amiga e a consequente culpa dessa relação, mas sim pelo receio de que com um possível retorno, ela perderia seu novo amado para a amiga ou seria julgada por se envolver com ele, mesmo com todo o contexto que os cerca.

O encerramento do longa, em um plano esteticamente lindo, espacialmente pensado e melancolicamente impactante, arremata a experiência incrível que é assistir A Aventura. Michelangelo Antonioni abordava o mal-estar social e suas questões há 60 anos atrás em uma bela obra cinematográfica que ressoa seus temas e impacto emocional até hoje.

Compartilhe

Twitter
Facebook
WhatsApp
Telegram
LinkedIn
Pocket
relacionados

outras matérias da revista

Televisão
Ana Luisa Santos

Amor Vincit Onnia

“Sense8” termina a sua jornada com um sentimento de ciclo fechado, com personagens e histórias bem construídos e uma carta de adeus aos fãs. Se é que alguém ainda não conhece o fenômeno geracional que se tornou, Sense8 é uma ficção científica criada e roteirizada por Lilly e Lana Wachowski e produzida pela Netflix. A série conta a história de oito jovens sensates que levavam vidas completamente diferentes uns dos outros, mas todas dentro da normalidade até um determinado momento. Eles percebem que têm uma conexão entre si quando têm a visão da morte de Angélica (Daryl Hannah). É aí que

Leia a matéria »
Televisão
Bruna Nogueira

Bella, ciao

“La Casa de Papel” é marcante, em uma série com a certeira atmosfera do crime perfeito, atuações precisas e uma trilha sonora simbólica.

Leia a matéria »
Back To Top